Fórmula 1 regressa com os compostos do meio da gama

0
  • A Fórmula 1 está de regresso, após a pausa de verão, com os compostos que figuram no meio da gama, para o Grande Prémio da Bélgica, em Spa-Francorchamps. Assim, teremos C2 como duros, C3 como médios e C4 como macios, ou seja, a mesma escolha do ano passado.
  • Spa, um dos circuitos mais emocionantes do calendário, conta com uma ampla variedade de desafios ao longo daquela que é a volta mais longa da temporada.


CARACTERÍSTICAS DO CIRCUITO

Localizado no sopé das Ardenas, Spa é sinónimo de clima instável, que também pode variar em diferentes partes do circuito. Embora a corrida do ano passado tenha sido disputada em condições secas, há sempre uma grande probabilidade de vermos os pneus de chuva Cinturato em ação, ao longo do fim de semana.
Os pneus terão de resistir a grandes forças, especialmente na passagem pela famosa Eau Rouge-Raidillon, onde os pneus são submetidos a uma compressão violenta e fortes forças G naquela que é uma das partes mais rápidas da pista.

A Reta Kemmel, com quase 800 metros de comprimento, tem o efeito de arrefecer os pneus, o que afeta a aderência nas curvas seguintes.

No ano passado, a vitória no Grande Prémio da Bélgica foi alcançada com uma estratégia de uma paragem (tal como aconteceu com os restantes membros do pódio). À exceção de dois pilotos, todos aproveitaram para trocar de pneus após um longo período de safety car, o que acabou por influenciar em grande medida as estratégias das equipas.

FÓRMULA 3: O QUE ESPERAR

A quinta ronda do campeonato de Fórmula 3 decorre em Spa, com os pneus médios (sendo que este é também o composto que transita do GP anterior). Este composto oferece o melhor compromisso entre desempenho e durabilidade, tendo em conta os desafios colocados por Spa.

Com três corridas por fim de semana, os pilotos de Fórmula 3 têm direito a cinco conjuntos de pneus slick e dois conjuntos de pneus de chuva por fim de semana de corrida.

MARIO ISOLA – RESPONSÁVEL PIRELLI NA F1

“O Grande Prémio da Bélgica marca a nossa terceira visita a Spa em apenas um mês, em contextos muito diferentes, após o Spa 24 Horas, o Ypres Rally Belgium, que terminou em Spa, e agora a Fórmula 1. Os desafios deste circuito, em especial no que toca ao clima, são bem conhecidos, assim como as cargas colocadas nos pneus. No ano passado, os três primeiros registaram a melhor volta de qualificação com pneus médios. O pneu macio oferecia um bom nível de aderência, mas exigia mais gestão, pelo que não foi considerado o pneu ideal para a corrida. A maioria dos pilotos passou de médios para duros, com um pit stop ditado por um safety car na volta 11. Com estes dados em perspetiva, espera-se uma combinação interessante de estratégias para a edição deste ano.”

OUTRAS INFORMAÇÕES PIRELLI

A Pirelli esteve em Spa há apenas duas semanas, com o circuito a marcar a final do Ypres Rally Belgium, vencido pelo Belga Thierry Neuville, da Hyundai.

Já o Spa 24 Horas, disputado no início do mês, teve como vencedores a equipa da Ferrari, constituída por Come Ledogar, Nicklas Nielsen e Alessandro Pier Guidi. Foi a primeira vitória do fabricante italiano nesta corrida desde 2004.

Ferrari, McLaren e Mercedes participaram no mais recente teste de pneus de F1 de 18 polegadas, para a temporada de 2022. Após o Grande Prémio da Hungria, resta apenas uma sessão de testes, agendada para Paul Ricard, em meados de setembro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.