Montanha dá o “pontapé de saída” na Arrábida

0

Quase 5 dezenas de inscritos ditam um plantel de luxo para a prova de abertura do CPM JC Group. Com grandes novidades no regulamento do campeonato e com a introdução da Taça de Portugal de Kartocross de Montanha, a Arrábida tem todos os ingredientes para ser uma prova emocionante.

Depois de ter tido honras de fecho na temporada passada, o Clube de Motorismo de Setúbal é agora anfitrião da prova de abertura desta nova época, assinando a 30ª edição da Rampa PÊQUÊPÊ Arrábida. Fernando Matias, o líder da agremiação setubalense, enfatiza “a enorme satisfação que sentimos por ter conseguido, com um tremendo esforço por parte do clube da autarquia de Setúbal e dos nossos patrocinadores, erguer mais esta edição. Foi muito difícil, mas está tudo preparado para proporcionarmos um excelente fim-de-semana, sendo enorme a nossa satisfação por uma vez mais, contar com uma lista de inscritos extraordinária!”.

Na categoria Protótipos, são cinco os “guerreiros” que estão preparados para uma batalha épica. José Correia (Osella EVO 2 – PA 30) inicia na Arrábida a defesa do título que brilhantemente conquistou em 2020. O piloto e patrão do JC Group Racing Team terá opositores ferozes na dupla de pilotos da NJ Racing, que incluiu o vice-campeão de 2020 António Rodrigues (BRC CM 05 EVO) e o regressado Nuno Guimarães (SilverCar S2), o sempre veloz Hélder Silva, que volta a confiar no potente BRC BR 53, cabendo ao consagrado Joaquim Rino a grande novidade desta categoria: o piloto adquiriu um BRC B49 EVO e vem “com tudo” para o campeonato, assumindo ambição de o discutir taco a taco.

A Categoria GT conta com “os suspeitos do costume”. Regressam assim os grandes duelos de 2020, entre Vítor Pascoal (Porsche 991 GT3 Cup), Pedro Silva (Porsche 997 GT3 Cup) e Pedro Marques (Porsche 991 GT3 Cup). Pascoal quererá defender o seu título, cabendo a Silva e a Marques tentarem destronar o campeão. Pela amostra da época transata, iremos ter corridas muito discutidas.

É na Categoria Turismo que temos a grande “revolução” no regulamento do CPM JC Group. São agora três as Divisões onde os carros desta Categoria se inserem.

A Divisão 1 é reservada aos carros de quatro rodas motrizes e tem na Arrábida quatro protagonistas. Luís Nunes, campeão nacional em título da categoria, volta a confiar no potente Ford Fiesta ST R5 para repetir a dose de 2020, sendo certo que terá pela frente adversários de grande valia.

Na sua divisão, destaque para o regresso de José Pedro Gomes (Opel Astra OPC) e para a novidade da estreia do leiriense António Cruz Monteiro, aos comandos de um Peugeot 208 R5 T16. Ao trio junta-se Daniela Marques (Subaru Impreza), também ela felizmente de regresso às lides da Montanha.

A Divisão 2 esta reservada aos carros de duas rodas motrizes, com motores de cilindrada superior a 2000cc. São 5 os inscritos, com Manuel Sousa em SEAT Cupra a continuar a sua evolução, a exemplo do que sucederá com José Carlos Pouca Sorte (BMW M3). Está também de volta o Audi RS3 LMS de Paulo Silva, ficando a lista completa com Frederico Formiga, num Fiat Stilo JTD.

Finalmente, na Divisão 3, onde correrão os carros de duas rodas motrizes, com motorização até 2000cc, apresentam-se 7 pilotos na contenda.

Alberto Pereira, que foi campeão nacional em 2020, então conquistando o primeiro título Legends de Montanha, apresenta um Honda Civic Type R e, pela sua competitividade, assume claramente a posição de candidato, indo medir forças com outros nomes fortes da modalidade, entre os quais Parcídio Summavielle, sempre rápido aos comandos do Renault Clio R3 e de Sérgio Nogueira, o experiente bracarense que volta a confiar no Renault Clio RS, carro também escolhido pelo regressado Carlos Silva.

Trevor Strecht (VW Golf MKIII) estreia-se nestas lides, onde também quer brilhar o fafense Cláudio Batista, aos comandos de um Citroen DS3 R1.

O Campeonato de Portugal de Clássicos de Montanha JC Group contará com um plantel de grande nível, apresentando 7 inscritos na Arrábida. Estão de volta os craques do Caramulo Racing Team, Ricardo Loureiro e Fernando Salgueiro, como sempre confiantes na competitividade dos seus Ford Escort MKII e terão de medir forças com forte concorrência.

José Carlos Magalhães apresenta uma das grandes novidades da época, inscrevendo um Toyota Starlet Gr 5, sendo certo que na Arrábida o favoritismo terá de ir para o brutal Porsche Carrera RS de Mário Silva, com o consagrado piloto a estar, uma vez mais, presente numa das rampas que mais gosta. Junta-se a este naipe de luxo, Luís Moutinho (Ford Escort), Fernando Francisco (Ford Escort MKI) e Carlos Fava (VW 1303).

No que concerne à discussão das contas do Campeonato de Portugal de Legends de Montanha JC Group, com o campeão a ter migrado para outras lutas, a discussão do título está ainda mais aberta. José Carlos Magalhães, no BMW M3 da MNE Sport e Carlos Oliveira (Ford Sierra Cosworth RS) assumem algum favoritismo, que terão que provar frete ao Alfa Romeo de Bernardo Sá Nogueira e aos Citroen Saxo de Pedro Lança e Bruno Carvalho.

A Taça de Portugal de Kartcross de Montanha JC Group terá na Arrábida a sua estreia absoluta. São 3 os “bravos dos aranhiços” que vão discutir a vitória. Sérgio Mateus e Nelson Rocha tripularão kartcross da Semog, enquanto Nelson Andrade confia num AG 1000.Espetáculo é coisa que está garantida à partida!

Nas Taças de Portugal reservadas aos 1300cc, Francisco Milheiro (Peugeot 106) começa a defender o título de 2020, tendo como opositor Rui gama (Peugeot 106). Nos Clássicos, Daniel Rolo apresenta-se com o potente Datsun 1200 Coupé, tendo pela frente José Pedro Figueiredo Datsun 1200) e Eva Laranjeira, que mudou para esta luta, apresentando como argumento um Peugeot 205 Rallye construído pela MNE Sport.

O programa competitivo da edição 2021 da Rampa PÊQUÊPÊ Arrábida inicia-se às 10.45 horas da manhã de sábado, com a primeira sessão de warm-up a dar tiro de partida para o galgar dos 3,1 kms do traçado. Quinze minutos depois do meio-dia será dado início à 1ª subida de Treinos Oficiais, estando marcada para as 14.30 horas a 2ª subida de treinos.

Às quatro e meia da tarde decorrerá a 1ª subida “a doer”, com a “armada” da Montanha a enfrentar o traçado da Arrábida já na discussão da primazia e da classificação, naquela que é a única Subida oficial de prova do primeiro dia de competição.

As lides competitivas recomeçarão as 9.45 de domingo, com mais uma sessão de warm-up. O segundo dia contém ainda a 3ª sessão de Trenos Oficiais (11.15) que, como habitualmente, antecederá a chamada “hora do tudo ou nada”.

Pela frente e para concluir em grande o evento, duas subidas oficiais de prova que, como habitualmente, se revelarão decisivas para o arrumar das contas deste arranque de temporada. Estão previstas, respetivamente, para terem início às 14.00 e 15.45 horas.

O programa contará ainda com uma Rampa Regional, que conta com 18 inscritos.

Excecionalmente, devido às enormes contingências provocadas pelo combate ao surto pandémico, não será realizada a cerimónia de distribuição de prémios, havendo lugar à entrega dos mesmo junto ao secretariado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.