Valtteri Bottas vence G. P. da Rússia

0

Tal como aconteceu em 2017 – quando conquistou o primeiro triunfo na Fórmula 1 – o piloto da Mercedes, Valtteri Bottas, venceu na Rússia depois de largar do terceiro posto da grelha de partida. O finlandês saltou para a liderança após uma penalização de 10 segundos que o seu companheiro de equipa, Lewis Hamilton, cumpriu durante o seu pit stop. Com pneus médios, Bottas realizou a sua paragem 10 voltas depois, para calçar duros.

Max Verstappen, da Red Bull, terminou em segundo e usou exatamente a mesma estratégia de Bottas, realizando a sua paragem uma volta antes. Estes foram os únicos pilotos do top 10 da grelha de partida a iniciar a corrida com pneus médios.

Lewis Hamilton, que subiu ao degrau mais baixo do pódio, optou pela estratégia macios/duros, mas a sua tática acabou por ser ditada pela Q2 de ontem (o britânico conseguiu o seu melhor tempo com macios). Depois de cumprir a sua penalização, voltou à pista no 11º lugar e escalou posições até regressar aos lugares do pódio.

Lando Norris, da McLaren, Alex Albon, da Red Bull, e George Russell, da Williams, aproveitaram o safety car, que surgiu logo na primeira volta, para equipar o composto duro. Apenas Norris tentou terminar a corrida com estes pneus, mas foi forçado a trocar para médios, após 46 voltas.

Daniil Kvyat (AlphaTauri), a correr em casa, terminou o Grande Prémio no oitavo posto, sendo o melhor dos dois pilotos que terminaram a corrida com pneus duros. O outro foi Kimi Raikkonen, da Alfa Romeo, que completou 35 voltas com este composto.

COMPORTAMENTO DOS PNEUS

DUROS C3: utilizado pelos sete primeiros classificados para o stint final. Bottas assinou a volta mais rápida da corrida com pneus duros que já contavam 25 voltas, e a duas do final da corrida. Hamilton completou 37 voltas com este composto.

MÉDIOS C4: a maioria dos pilotos, fora dos 10 primeiros, escolheu este composto para iniciar a corrida. Também os dois primeiros classificados começaram com pneus médios, o que se revelou determinante para o desfecho da corrida.

MACIOS C5: apenas oito pilotos escolheram este composto para iniciar a corrida: um deles foi Hamilton, que saiu da pole position. Sergio Perez, da Racing Point, utilizou a mesma estratégia de macios-duros de Hamilton para terminar em quarto.

MARIO ISOLA – RESPONSÁVEL PIRELLI NA F1

“Num dia quente em Sochi, com temperaturas acima dos 30 graus, assistimos a uma variedade de estratégias, resultantes da escolha mais suave dos compostos em relação ao ano passado. No passado, Sochi era essencialmente uma corrida de uma paragem, e o mesmo deveria acontecer novamente, mas com os três compostos presentes nas diferentes estratégias. Gerir a degradação térmica foi fundamental, especialmente no caso dos pneus macios, mas também vimos alguns stints particularmente longos com pneus duros. Parabéns a Valtteri Bottas e também à Mercedes – que mantém a sua invencibilidade no Grande Prémio da Rússia.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.