Pirelli faz a antevisão do G.P. da Rússia

0

Duas semanas depois de terem sido selecionados os três pneus mais duros da linha em Mugello, a Pirelli apresenta agora os três pneus mais macios para Sochi: C3 como duros (P Zero White), C4 como médios (P Zero White) e C5 como macios (P Zero Red).

A escolha foi feita de acordo com a suavidade do asfalto de Sochi, conhecido por ser relativamente clemente para os pneus. Além disso, o clima em Sochi costuma ser ameno e não existem curvas com exigências energéticas extremas, o que torna a seleção dos três pneus mais macios a escolha ideal.


CARACTERÍSTICAS DO CIRCUITO

O asfalto de Sochi amadureceu desde a inauguração da pista em 2014. Apesar disso, o traçado é conhecido pelos seus baixos níveis de aderência.
A seleção dos compostos é mais suave do que em comparação com 2019, quando entraram em cena os pneus C2, C3 e C4. Nessa altura, a maioria dos pilotos realizou apenas uma paragem. Apenas cinco dos 15 primeiros classificados optaram por duas paragens, algo que, na maioria dos casos, aconteceu devido ao surgimento do safety car.

A curva número 3 é a mais exigente: uma curva para a esquerda, com 750m de comprimento que castiga particularmente o pneu dianteiro direita. O resto do traçado é composto, maioritariamente, por curvas de velocidade média e de 90 graus, o que confere a Sochi a aparência de um traçado urbano (não é à toa que foi construído em torno da vila olímpica que sediou os Jogos de Inverno de 2014).

MARIO ISOLA – RESPONSÁVEL PIRELLI NA F1

“O Grande Prémio da Rússia é um dos poucos eventos que não sofreu alterações no calendário. Apesar disso, optámos por uma seleção de pneus um nível mais suave do que na temporada passada, com o objetivo de proporcionar mais velocidade e um desafio extra em termos de estratégia para a corrida. A seleção deste ano (C3, C4 e C5), somada à utilização de pneus com uma banda de rodagem mais fina, introduzidas em 2019, deve estimular as equipas a utilizarem todas as opções disponíveis e, consequentemente, reduzir a necessidade de gerir o desgaste dos pneus por parte dos pilotos. As estratégias do ano passado foram fortemente influenciadas por neutralizações, o que somado ao facto de os carros de 2020 serem mais rápidos do que nunca se traduz em várias incógnitas para as equipas para este Grande Prémio da Rússia. Apesar disso, o traçado de Sochi não é muito exigente para os pneus, por isso é viável completar o Grande Prémio recorrendo a uma só paragem. As equipas terão de entender, durante os treinos de sexta-feira, se esta é a opção mais rápida, o que pode sem dúvida acontecer dada a tendência das equipas de tentarem despachar as corridas com uma só paragem, quando isso é possível.”

OUTRAS INFORMAÇÕES PIRELLI

Oscar Piastri, integrante do programa de jovens pilotos da Renault e representante da equipe Prema, foi proclamado campeão da Fórmula 3 na última ronda da competição, realizada em Mugello. Trata-se do primeiro australiano a ganhar o título. O piloto vai receber uma bolsa de 300.000€ da Pirelli para o ajudar a entrar na Fórmula 2, na próxima temporada.

A Fórmula 2 retoma volta a ter ação na Rússia, com Mick Schumacher a liderar a classificação. O alemão protagonizou uma das imagens mais marcantes do último GP da Toscana ao realizar algumas voltas ao longo do circuito ao volante do F2004, com o qual o seu pai conquistou o sétimo título mundial.

O World Rally Championship (WRC), que contará com a Pirelli como fornecedor exclusivo a partir de 2021, realizou uma nova etapa na Turquia. O melhor piloto com pneus da empresa italiana foi Kajetan Kajetanowicz, vencedor da categoria Rally 2, ao volante de um Skoda. Jan Solans e Mauro Barreiro participaram pela primeira vez no campeonato mundial, na modalidade WRC3, neste mesmo evento, e terminaram em sexto lugar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.