Lewis Hamilton vence corrida monótona em Barcelona

0

O piloto da Mercedes, Lewis Hamilton, venceu o Grande Prémio de Espanha arrancando da Pole Position, com uma estratégia de duas paragens (macios-médios-médios): a mesma que Max Verstappen, da Red Bull, piloto que terminou na segunda posição. No entanto, Verstappen efetuou as suas paragens algumas voltas antes de Hamilton. ​

Valtteri Bottas, também da Mercedes, terminou a corrida no terceiro posto. O finlandês também iniciou a corrida com macios antes de efetuar a troca para médios, mas o piloto acabaria por realizar mais duas paragens: equipando pneus macios e médios de seguida, com a sua terceira e última paragem a acontecer a duas voltas do fim da corrida. Foi Bottas quem registou a volta mais rápida e, consequentemente, o ponto extra.

Apesar da maioria ter registado duas paragens, alguns dos pilotos completaram a corria com apenas uma visita às boxes: Sergio Perez, da Racing Point, começou com macios e terminou com médios, acabando a corrida em quinto, enquanto que Sebastian Vettel começou a corrida na 11ª posição com pneus médios e, após um stint excecionalmente longo, equipou pneus macios para terminar a corrida no sétimo posto.

Carlos Sainz, da McLaren, cruzou a linha da meta na sexta posição com uma estratégia macio-macio-médio (o único piloto a recorrer a esta estratégia), enquanto que Alex Albon, da Red Bull, terminou em oitavo com outra estratégia única: macio-duro-médio. Albon foi o único piloto a fazer uso dos pneus duros durante a corrida.

Em suma, verificaram-se sete estratégias diferentes entre os oito primeiros classificados.

O tempo da corrida em Barcelona foi quase 10 minutos mais rápido do que em 2014: o primeiro ano da era do turbo híbrido. O significa que o tempo médio de volta da edição de 2020 foi mais rápido oito segundos por volta: uma melhoria que os pneus foram capazes de acompanhar.

COMPORTAMENTO DOS PNEUS

DURO C1: utilizado apenas por Albon durante a corrida, este composto ofereceu um menor nível de aderência no Circuit de Catalunya, em comparação com os outros dois.

MEDIO C2: foi o composto principal para entender a corrida, já que demonstrou uma grande capacidade para realizar stints longos: no final da corrida, Hamilton comentou que pensou, por momentos, realizar apenas uma pagarem, mas, em conjunto com a sua equipa, decidiu seguir o plano de duas paragens. Valtteri Bottas conquistou o ponto extra atribuído à volta mais rápida com este composto.

MACIO C3: utilizado por todos os pilotos do top 10 da grelha de partida para iniciar o Grande Prémio. As suas prestações e o nível de desempenho permitiram que os pilotos pudessem optar por várias estratégias, incluindo estratégias de uma só paragem.

MARIO ISOLA – RESPONSÁVEL PIRELLI NA F1

“A gestão dos pneus perante uma temperatura de asfalto de quase 50ºC representou um grande desafio para os pilotos, principalmente a rodar com o composto macio. Apesar disso, vimos stints com mais de 30 voltas com este composto, o que é realmente impressionante, o que permitiu estratégias de uma só paragem, algo que não estávamos à espera. Mais concretamente, Sergio Pérez (Racing Point), que terminou em quinto lugar com uma estratégia macios-médios. Sebastian Vettel também optou por uma estratégia ousada, passando de médios a macios para terminar em sétimo. Apesar das temperaturas elevadas, os pneus resistiram muito bem a este Grande Prémio da Espanha.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.