Pole para Lewis Hamilton na Hungria

0

Lewis Hamilton soma e segue no Mundial de Fórmula 1. No Hungaroring, na sessão de qualificação para o 36.º Grande Prémio da Hungria – o 35.º pontuável para a disciplina mais importante do desporto automóvel –, a terceira etapa do campeonato de 2020, o campeão do Mundo garantiu a 90.ª ‘pole position’ da carreira e melhorou recorde que detém há muito tempo. É a sétima vez que o inglês inicia a corrida húngara da primeira posição da grelha de partida, registo que iguala um máximo de Michael Schumacher.

Hamilton, na volta mais rápida da qualificação, percorreu os 4,381 km do Hungaroring em 1.13,447 minutos, registo que ‘implodiu’ o anterior recorde da pista nos subúrbios de Budapeste (1,14,572 m) que pertencia a Max Verstappen desde 2019. “É incrível. O resultado deve-se, essencialmente, ao trabalho formidável da equipa que desenvolveu o W11, o melhor monolugar que pilotei na Fórmula 1», exclamou o piloto! “A volta foi perfeita. Para vencer o Bottas, que nunca facilita o meu trabalho, tinha de sê-lo”, disse. “Amanhã, na corrida, o arranque será determinante… A reta é muito longa até à curva 1, mas o objetivo é ganhar o grande prémio», concluiu.

Se os números de Hamilton são impressionantes, o que dizer dos da Mercedes-AMG?! Amanhã, na Hungria, pela 60.ª vez nos 123 grandes prémios da era híbrida na Fórmula 1 (Austrália-2014), dois monolugares da equipa hexacampeã mundial na primeira linha da grelha de partida. Bottas acabou a sessão na segunda posição, a somente 0,107 s de Hamilton. O finlandês lidera o campeonato, com 43 pontos, mais seis do que o Lewis, e sabe que tem de vencer para manter o comando no Mundial. “Antecipo uma primeira volta excitante. Tenho de atacar para continuar no topo”, disse o piloto do W11 #77.

Lance Stroll assinou a melhor qualificação na Fórmula 1, acabando na terceira posição, a 0,930 s de Hamilton. O canadiano superiorizou-se ao mexicano Sergio Pérez, parceiro na Racing Point-Mercedes. Na Ferrari, melhor qualificação da temporada, beneficiando do facto de o Hungaroring não penalizar tanto os monolugares com menos velocidade de ponta: os SF1000 da Scuderia colocaram-se na terceira linha da grelha, com Vettel à frente de Leclerc.

Já Max Verstappen, após a ‘pole position’ na Hungria-2019, a primeira da carreira, não conseguiu melhor do que a sétima posição, registo que expõe problemas nos Red Bull-Honda (confirmam-nos, também, o não apuramento de Alex Albon para a fase final do programa, que reúne o ‘top-10’). O tailandês foi somente 13.º na Q2, que contou com dois Williams (Russell e Latifi) pela 1.ª vez desde Monza-2018.

Hamilton é o piloto com mais vitórias no Grande Prémio da Hungria de Fórmula 1: sete. O britânico ganhou no Hungaroring em 2007, 2009, 2012, 2013, 2016, 2018 e 2019.

Grelha de partida:

1.º Lewis Hamilton, Mercedes-AMG, 1.13, 447 m

2.º Valtteri Bottas, Mercedes-AMG, +0,107 s

3.º Lance Stroll, Racing Point-Mercedes, +0,930 s

4.º Sergio Pérez, Racing Point-Mercedes, +1,098 s

5.º Sebastian Vettel, Ferrari, +1,327 s

6.º Charles Leclerc, Ferrari, +1,370 s

7.º Max Verstappen, Red Bull-Honda, +1,402 s

8.º Lando Norris, McLaren-Renault, +1,519 s

9.º Carlos Sainz, McLaren-Renault, +1,580 s

10.º Pierre Gasly, AlphaTauri-Honda, 1.15,508 m

11.º Daniel Ricciardo, Renault, 1.15,661 m

12.º George Russell, Williams-Mercedes, 1.15,698 m

13.º Alexander Albon, Red Bull-Honda, 1.15,715 m

14.º Esteban Ocon, Renault, 1.15,742 m

15.º Nicholas Latifi, Williams-Mercedes, 1.16,544 m

16.º Kevin Magnussen, Haas-Ferrari, 1.16,152 m

17.º Daniil Kvyat, AlphaTauri-Honda, 1.6,204 m

18.º Romain Grosjean, Haas-Ferrari, 1.16,407 m

19.º Antonio Giovinazzi, Alfa Romeo-Ferrari, 1.16,506 m

20.º Kimi Räikkönen, Alfa Romeo-Ferrari, 1.16,614 m

Fonte: José Caetano/abola.pt

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.