Portugueses jogam em casa no ISDE 2019 – Portimão

0

Começam já amanhã de forma oficial os ISDE 2019. A 94ª edição da prova mais antiga sob a égide da FIM será pela terceira vez realizada em solo português e que contará com um total de 37 pilotos portugueses em prova divididos pelas três selecções (Sénior, Júnior e Feminina) ás quais se juntam 27 pilotos que integram as nove equipas de clube que estarão no palanque de arranque da prova.

O centro nevrálgico da mesma será o Autódromo Internacional do Algarve que ás primeiras horas da manhã verá o primeiro dos mais de 600 pilotos presentes iniciar seis intensos dias de competição que vão animar o Algarve num evento único e especial.

Ao todos os pilotos que terminem a prova irão percorrer mais de 1.500 quilómetros e estarão cerca de oito horas por dia aos comandos das suas motos naquela que é uma intensa maratona onde pilotos e máquinas lutam diariamente contra o terreno e o sempre implacável cronómetro que será juiz do nome dos vencedores, que aqui jogam individualmente mas acima de tudo em nome das suas selecções pois no final será ao abrigo dos seus países que chegará a glória para as formações vencedoras.

Amanhã – Sábado – a cerimónia de apresentação realiza-se na zona ribeirinha da cidade europeia do desporto em 2019 – Portimão – onde a partir das 17 horas serão apresentadas as equipas oriundas de 34 nações de todos os continentes. Será o arranque definitivo depois de uma semana inteira de preparação já no Autódromo Internacional do Algarve, o centro nevrálgico da prova.

História

Nascidos em 1913 os ISDE, ou International Six Days Enduro têm em Inglaterra o seu ‘berço’, mas então com o nome de International Six Days Trial, recebendo a designação actual apenas em 1981 por decisão da Federação Internacional de Motociclismo. A primeira edição realizou-se em Carlisle e foram os britânicos a vencer antes da I Guerra Mundial impedir a prova de se realizar logo no ano seguinte, regressando apenas em 1920 na cidade francesa de Grenoble. Em 1924 realizou-se a primeira edição do Silver Vase (Vaso Prata) onde podiam competir pilotos com motos de diversas origens que não as do país representado pelos pilotos, como acontecia com o World Trophy onde os pilotos tinham que utilizar motos construídas nos seus próprios países.

Em 1964 surgiu pela primeira em prova uma equipa norte-americana composta por Bud Ekins, Dave Ekins, Cliff Coleman, John Steen e também o actor Steve McQueen. A prova realizou-se na então Alemanha de Leste. Por força da regulamentação quanto à origem das motos os ISDE foram durante muitos anos dominados ora pelos britânicos ora pelos países da Europa de Leste, aqueles que tinha indústria nas duas rodas capaz de desenvolver produtos para serem aqui utilizados. Em 1963 os italianos venceu o Silver Vase, cujo feito repetiram em 1968 quando dominavam as alemanhas e a Checoslováquia. Só em 1979 se viu uma vitória de um país da Europa Central, neste caso os italianos, era em que começaram a surgir igualmente os países nórdicos, no caso os suecos, e mais tarde também finlandeses se juntaram tal como os franceses que seguiram a linha italiana. Os australianos venceram pela primeira vez apenas em 2015 e os norte-americanos colocaram a sua equipa no topo no ano seguinte. Nas senhoras a competição apenas tem cariz oficial desde 2007 e desde 2013 são sempre as australianas a vencer. Além delas apenas França e Estados-Unidos conseguiram vencer. Resta agora saber como será em Portugal…

Números dos portugueses

60 – João Lourenço

61 – Diogo Ventura

62 – Diogo Vieira

63 – Gonçalo Reis

64 – Tomás Clemente

65 – Rodrigo Belchior

66 – Manuel Teixeira

282 – Rita Vieira

283 – Bruna Antunes

284 – Joana Gonçalves

399 – Pedro Rafael

499 – João Rafael

599 – Tiago Lopes

607 – Frederico Rocha

707 – Rodrigo Luz

807 – Gonçalo Salgado

601 – Pedro Oliveira

701 – Emanuel Costa

801 – Fausto Mota

398 – Fernando Sousa Jr.

498 – Fernando Sousa

598 – Luis Rocha

603 – Manuel Moura

703 – Bernardo Megre

803 – João Hortega

600 – Nuno Freitas

700 – Marco Correia

800 – Rui Fernandes

605 – Paulo Miranda

705 – Jorge Araújo

805 – Bruno Freitas

606 – Ricardo Wilson

706 – Tiago Caetano

806 – José Borges

609 – Ricardo Pina

709 – Miguel Saúde

809 – Ross Riley

610 – Francisco Mota

710 – Carlos Pedrosa

810 – Anibal Botelho

748 – Ricardo Filipe

652 – José Silva

752 – Jorge Ribeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.