Acidente tira vitória a José Fontes e Inês Ponte

0

Um acidente no penúltimo troço do Rali de Mortágua deitou por terra a excelente prestação que José Pedro Fontes/Inês Ponte estavam a demonstrar durante a tarde de hoje.

Numa altura em que defendiam a liderança dos cerrados ataques dos seus adversários, o C3 R5 do Citroën Vodafone Team ficou, assim, impedido de terminar a prova do Clube Automóvel do Centro.

O regresso da equipa ao Campeonato de Portugal de Ralis acontecerá no Vodafone Rally de Portugal, no final de maio.

Mostrou-se por demais inglório o acidente que definiu o final de prova José Pedro Fontes e Inês Fontes. Aconteceu no penúltimo troço, numa altura em que a dupla do C3 R5 do Citroën Vodafone Team defendia a liderança que detinha à entrada da ultima secção do Rali de Mortágua, impedindo a equipa de alcançar uma vitória que seria sua por direito, tal a demonstração de poder exercida nos troços da tarde de hoje.

“Tudo aconteceu na fase final do troço, numa zona que nem identificámos como perigosa, apesar de rápida e estretia. Num ressalto a traseira do carro escorregou e embateu com alguma violência, impedindo-nos de continuar em prova. È verdade que o desfecho foi negativo, mas não posso deixar de sublinhar a excelente performance que rubricámos e que tinham tudo para ser materializada num triunfo. Estou triste, mas não desanimado. Acho que temos condições para voltar a andar a este ritmo e lutar pela vitória em qualquer das provas que temos pela frente. Lamento o sucedido em boa parte por não poder dar à minha equipa um triunfo que parecia certo. Resta-me dar os parabéns ao vencedor e iniciar já a preparação do Vodafone Rally de Portugal. “, explicou José Pedro Fontes, ele que, tal como a sua navegadora Inês Ponte saíram ilesos de um acidente, que danificou apenas o C3 R5. No que se refere ao rali, “depois das Super Especiais de ontem, troços com características muito próprias, o dia de hoje teve duas fases distintas: uma de manhã, em que os troços estavam muito duros, com muita pedra solta, o que degradou um pouco os nossos pneus, não nos permitindo chegar tão longe quanto queríamos, e outra de tarde em que, com uma  melhor escolha de pneus, conseguimos impor as valências do nosso C3 R5. Vencemos 4 troços e preparávamo-nos para vencer o rali, só que o destino assim não quis…”

Até aqui e após um primeiro dia em que definiram a sua ordem de partida – começaram por ser a 8ª equipa a entrar para os troços, posição escolhida na sequência do 2º melhor tempo alcançado no Shakedown matinal – José Pedro Fontes e Inês Ponte tiveram, ao início da noite de ontem, o primeiro confronto direto com os seus adversários deste Rali de Mortágua 2019. Foi nas duas Super Especiais – Águeda (ES 1, 2 vezes 2,59 km) e Mortágua (ES 2, troço com 2,06 km) – que, alcançando dois 2ºs melhores tempos, asseguraram igual posição na Geral provisória, cedendo meros 1,8 segundos a Miguel Barbosa, o então líder da prova.

Esta manhã e apostando numa forte toada, que lhes garantiu sempre tempos dentro do top-4, a dupla do C3 R5 não conseguiria, ainda, levar a bom porto os seus intentos de chegar ao 1º lugar da jornada do Clube Automóvel do Centro. Numa secção extremamente disputada, com diferenças ao nível dos décimos de segundo entre os homens da frente, começaram por registar o 4º tempo nos 6,55 km de Mortágua/Moitinhal, seguindo-se o 3º em Mortágua/Chão de Calvos (5,66 km), a apenas 0,6 segundos do mais rápido, para depois assinarem novo 4º registo mais rápido em Sobral/Tojeira (18 km) e novo 3º melhor tempo em Felgueira (16,92 km). Finda esta ronda, Fontes e Ponte alcançavam a Assistência na 4ª posição, a meros 3,4 segundos do então líder Ricardo Teodósio e a apenas 1,6 segundos do último degrau do pódio, pelo que a tarde prometia revelar-se ainda mais quente.

Foram estes mesmos troços os palcos onde o C3 R5, com as cores da Citroën e da Vodafone, viriam a impor, depois, a sua lei, com a particularidade de, em todos eles, José Pedro Fontes e Inês Ponte terem melhorado os registos face à ronda matinal. Foram os mais rápidos em Moitinhal, tirando 5 segundos ao tempo da manhã, ascendendo ao 2º lugar da geral; em Chão de Calvos repetiram a dose, melhorando a sua marca em 6 segundos, o que os deixou a apenas 4 décimas do 1º lugar; seguiu-se o troço maior da prova do CAC, os 18 km de Sobral/Tojeira onde o 1º lugar foi, finalmente alcançado, fruto de nova e retumbante vitória no troço, com nada menos do que 17 segundos tirados ao registo da manhã; depois, uma toada que se manteve em Felgueira, cumprida em menos 12 segundos do que na anterior passagem, levando a dupla da Citroën Vodafone Team a reforçar a sua posição de líder.

Composta por nova passagem pelos troços de Moitinhal e Chão de Calvos, em pouco mais de 12 km ao cronómetro, a derradeira secção deste Rali de Mortágua 2019 revelar-se-ia, por isso, decisiva para as suas pretensões, pois as diferenças entre os primeiros eram relativamente curtas. O C3 R5 de José Pedro Fontes e Inês Ponte saía do Parque de Assistência na frente do rali, com uma vantagem de 10 segundos sobre o Skoda de Ricardo Teodósio que, por sua vez, tinha o Hyundai de Armindo Araújo 8,5 segundos atrás de si. Foi no 11º e penúltimo troço que se desfez o sonho de uma vitória perfeitamente merecida…

A próxima prova do CPR 2019, 4ª da temporada e última em pisos de terra, será o Vodafone Rally de Portugal, igualmente pontuável para o WRC 2019 e que terá lugar de 30 de maio a 2 de junho, integrando um percurso em grande parte inédito.

Este projeto da Citroën tem a Vodafone como patrocinador principal e conta com as marcas Milaneza, ExpressGlass, Pirelli, Huawei e Total como parceiros, estando o desenvolvimento do C3 R5 a cargo da equipa técnica da Sports & You.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.