Vitória para Rui Ramalho na Rampa Senhora da Graça!

Vitória para Rui Ramalho na Rampa Senhora da Graça!

 

A penúltima prova do Campeonato Nacional de Montanha Valvoline 2017, a Rampa Senhora da Graça, terminou com o triunfo de Rui Ramalho em termos absolutos e na Categoria 1. O piloto do Porto reforçou desta forma as suas possibilidades de garantir o título desta época, quando falta apenas uma prova para o final do campeonato. Rui Ramalho bateu o recorde do traçado com o seu Osella PA2000 Evo2, completando a prova com o tempo total de 4:07s848.

Pedro Salvador em Silver Car EF10 ocupou a segunda posição final, depois de uma prova cheia de problemas. O motor do carro espanhol não colaborou com o piloto de Chaves, obrigando Salvador a falhar a primeira subida de prova disputada no Sábado. Com a troca de motor a revelar-se insuficiente, – os problemas mantiveram-se -, Pedro Salvador limitou-se a fazer as duas subidas de prova de Domingo para garantir o segundo lugar e pontuar, levando a decisão do título para a derradeira prova do campeonato em Boticas.

No terceiro lugar final ficou Paulo Ramalho em Osella PA21S Evo, que bateu João Fonseca em BRC CM05 Evo, numa luta que ficou decidida na derradeira subida da prova organizada pelo CAMI e apoiada pela Câmara Municipal de Mondim de Basto.

“Não foi uma prova fácil, mas foi uma vitória muito saborosa. Esta era apenas a minha segunda presença aqui na Senhora da Graça e a primeira vez com este carro, o que não facilitou a questão da adaptação. Fui melhorando aos poucos e penso que consegui andar bem e se não ganhei da forma como queria, porque o Pedro teve problemas e não me pode dar réplica que esperava, estou ainda assim muitíssimo satisfeito com este resultado que me deixa um pouco mais perto do título, mesmo sabendo que nada está ainda decidido. Para Boticas a minha postura vai ser naturalmente mais defensiva e espero concretizar o meu sonho e garantir o título.” Afirmou Rui Ramalho.

Na quinta posição final em termos absolutos ficou José Correia, que levou o seu Nissan GT-R GT3 ao primeiro lugar da Categoria 2 com 4:41s750, na frente de Gonçalo Manahu e de Edgar Reis, ambos em Porsche 997 GT3 Cup. Correia teve uma prestação irrepreensível ao longo dos dois dias de prova, nunca dando veleidades aos seus adversários.

“Penso que estive sempre muito bem ao longo do fim-de-semana, não cometi erros, o carro esteve muito bem e esta era uma rampa onde, pelas suas características, eu tinha vantagem. A luta pelo título continua e em Boticas vamos dar o máximo para sermos campeões.” Referiu José Correia.

Com o bonito Ford Fiesta R5+, Manuel Correia conseguiu uma excelente estreia nesta rampa e venceu a Categoria 4 e o Campeonato reservado aos turismos, registando um total de 4:54s585. Não foi, no entanto, um triunfo fácil, com Luis Silva a dar uma grande réplica na categoria ao campeão, antes de ter tido problemas como seu BMW M3 na segunda subida de prova, optando por se resignar com a segunda posição final, na frente de Francisco Marrão em SEAT Leon Supercopa. Com problemas no seu Peugeot 306, Marco Guerra não terminava a prova depois de fazer apenas a primeira subida oficial.

“Não foi fácil, era a minha estreia aqui nesta rampa e o Luis deu-me muita luta. Felizmente acabei por conseguir mais uma vitória e se já sou campeão na categoria, quero agora garantir o título também nos Turismos. Penso que estamos no bom caminho.”

Vencedor anunciado na Categoria 5, Joaquim Teixeira lutou até ao final pelo triunfo nos Turismos, acabando por obter a marca de 4:55s285 e colocar o Renault Megane Trophy V6 no segundo lugar, a apenas sete décimos de Correia. Na Categoria 5 completaram o pódio José Cardoso (2º) e Jorge Meira (3º), ambos em Citroen Saxo Cup.

“Não foi possível chegar ao triunfo nos Turismos, dei tudo o que tinha, mas não foi o suficiente. A luta pelo título continua e em Boticas vamos atacar e dar o máximo para lá chegar.” Disse Joaquim Teixeira.

Vencedor surpresa na Categoria 3, Sérgio Nogueira completou a prova em 5:41s502 e aproveitou da melhor forma as dificuldades mecânicas do Mitsubishi Lancer Evo IX de José Pedro Saraiva, forçado a abandonar a prova sem completar qualquer subida oficial. José Oliveira foi o segundo classificado com o seu Subaru Impreza STi.

“Já há muito tempo que procurava o triunfo na categoria, nunca o tinha conseguido porque os outros carros são muito mais competitivos que o meu e hoje aproveitei da melhor forma azares alheios para vencer. Estou como é óbvio, muito satisfeito, é um justo prémio para a nossa equipa.” Adiantou Sérgio Nogueira.

Na Taça Nacional de Montanha 1300, A vitória pertenceu a Leonel Brás em Citroen AX Sport, que depois de não ter conseguido terminar a primeira subida de prova disputada no Sábado, foi o melhor no cômputo das duas melhores subidas de hoje (6:01s353), batendo Armando Freitas (Toyota Starlet), que com este resultado se sagrou desde já vencedor desta competição. Francisco Leite em Fiat Punto foi o terceiro, seguido por António Silva em Toyota Starlet.

“Foi uma vitória muito difícil, tivemos muitos problemas com o carro ontem e hoje de manhã e tive de dar o máximo nas duas únicas subidas de prova que me restavam para marcar tempos e tentar vencer, o que felizmente consegui.”

Ao trinfar de forma inequívoca no Campeonato Nacional de Clássicos de Montanha, José Pedro Gomes fechou também as contas desta competição sagrando-se desde já campeão. O piloto do Ford Escort MKI registou o tempo total de 5:23s864, batendo Parcídio Summavielle em Datsun 240Z, Flávio Saínhas e Luis Moutinho, ambos em Ford Escort MKI. Mário Mesquita fechou a classificação com o seu Datsun 1600 SSS.      

No Troféu Nacional de Clássicos Montanha, cedo Carlos Oliveira mostrou ao que vinha, conseguindo um triunfo fácil com o seu BMW 323i, conseguindo a marca final de 5:23s778. No segundo lugar terminou Fernando Salgueiro, que teve problemas no seu Ford Escort MKII, nunca se mostrando capaz de ombrear com Oliveira. No derradeiro lugar do pódio ficou Rui Gama em VW Carocha.

“Estive a um nível muito bom este fim-de-semana e com um carro muito bem preparado não foi difícil ganhar. Continuamos na luta pelo título, que se vai decidir na última prova.” Referiu Carlos Oliveira.

 

Mondim2017pRESSrELEASE 31