test

Joaquim Teixeira emite comunicado

0


COMUNICADO – Esclarecimento sobre a suspensão de prémios em Murça

Após mais de um mês à espera que o CCD emitisse um esclarecimento publico sobre o motivo que originou o erro cometido na Rampa Porca de Murça, e que prejudicou a minha imagem, como piloto, quando suspenderam a entrega de prémios da Categoria 5, como até ao momento não tiveram a coragem de o fazer, resolvi emitir este comunicado para repor a publicamente a verdade.

Achei perfeitamente normal que em Murça a minha viatura tenha sido verificada, como devem ser todas as outras, e que as verificação dignifiquem esse nome de “ VERIFICAÇÕES” para credibilizar o desporto e acabar de vez com a medição de distancia entre eixos e pouco mais, e se passem a fazer verificações a órgãos mecânicos como aconteceu com a minha, porque não existem pilotos de 1º e de 2º, embora esta situação me tenha parecido encomendada, pois não ando aqui à dois dias, basta ver que antes de se saber quem tinha ganho a minha categoria já me tinham notificado para a minha viatura ser verificada.

Aproveito para informar que a minha viatura foi declarada em conformidade com a regulamentação do troféu.

O que realmente me deixou triste e indignado foi o CCD ter suspendido a entrega de prémios da minha categoria na minha terra. Esta situação prejudicou imenso na minha imagem perante patrocinadores, publico, autarquia, em todos os OCS incluindo a TV, perante os meus amigos e conterrâneos, com a agravante de a mesma ter sido tomada sem que o CCD tivesse suporte legal para o fazer atendendo que a entrega de prémios teve como base a classificação oficiosa e nestes caso não pode existir suspensão de entrega de prémios só se a mesma tivesse como base a classificação oficial, o que só poderia ter acontecido após a abertura do parque fechado.

Sei que todos podem errar, mas pior que errar é não assumir na mesma proporção do dano esse erro. Esta posição do CCD, prejudicou-me publicamente, por isso o CCD quando verificou que errou deveria ter tambem publicamente assumido esse erro, e não como o pretendeu fazer pedindo-me desculpa no final em privado. Se tivesse assumido o erro publicamente durante a entrega de prémios através da instalação sonora a todos os presentes no local, ou o tivesse feito posteriormente em comunicado publicado no site da FPAK, o assunto estava arrumado, mas não teve a humildade e sensatez de o fazer, talvez porque pensem que estão acima de qualquer regulamentação ou legislação o que felizmente não é verdade.

Perante esta situação gostaria de colocar a seguinte questão: se eu ou outro piloto qualquer usar de termos menos próprios ou entrar no insulto ou ainda tomar outra posição publica incorreta ofensiva ou agressiva para com um elemento da FPAK, ou do CCD, durante a prova e depois em privado lhe pedir desculta o assunto fica arrumado? Claro que não, porque publicamente essas pessoas foram atingidas na sua dignidade e por isso sei que vou sofrer logo as consequências com um processo.

Então aqui isso não se verifica com o CCD porque? O CCD está acima de todos os regulamentos e legislação? se errou tambem deveria ser punido, tambem quando erra não pode ser ou suspenso ou substituído por outras pessoas que conheçam minimamente a regulamentação para estas situações?

Esta situação fez-me lembrar tambem o caso onde: um juiz condenou a 10 anos de prisão um arguido e depois verificou que a legislação que sustentou essa decisão já não estava em vigor. O juiz em vez de publicamente assumir o erro e revogar a pena para que a opinião publica ficasse a saber que afinal a decisão foi errada, e o preso voltasse à liberdade e visse a sua imagem limpa, o que fez foi visitar o preso na cela e pedir-lhe desculpa, mas mantendo o condenado na prisão e não se retratando perante a opinião publica, porque ninguém podia saber que afinal o Juiz tinha errado.

Na minha vida costumo dizer que tambem erro muito, mas tenho a humildade de o assumir na mesma proporção que a minha decisão teve influencia. Todos nós na vida devemos exercer os cargos enquanto demonstrarmos competência para tal, e como já vi muitas pessoas que exercem cargos públicos e privados, ou mesmo políticos a demitirem-se por atos ou afirmações incorretas proferidas por eles ou pelos seus subordinados, penso que este caso devia merecer tambem a mesma posição.

Deixo à consideração de cada um a capacidade de agir em conformidade com os seus atos, mas espero que assumam que não tem condições para se manterem em funções.

Joaquim Teixeira

 

jteixeira2

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.