Miguel Oliveira espera ser competitivo nos EUA

0
  • Piloto de Almada revelou ter “bons indicadores” para a corrida de domingo

O piloto português Miguel Oliveira (KTM) disse esta quinta-feira acreditar que será “competitivo” no Grande Prémio das Américas de MotoGP, quarta de 21 rondas do Mundial de Velocidade em motociclismo.

Numa conferência de imprensa virtual, o piloto de Almada revelou ter “bons indicadores” para a corrida de domingo. “Vamos tentar encontrar um bom compromisso. Mas tendo em conta a corrida do ano passado, sinto que vamos estar competitivos e preparados para esta época. Temos bons indicadores para começar a trabalhar amanhã [sexta-feira]”, disse o piloto da KTM.

Miguel Oliveira terminou a corrida de 2021 na 11.ª posição, depois de ter sido 14.º em 2019, no primeiro ano em que militou na classe rainha do campeonato, o MotoGP. Em 2020, o campeonato não passou pelo circuito de Austin, no Texas, devido à pandemia de covid-19.

O piloto português, de 27 anos, chega a esta quarta ronda na sétima posição do campeonato, depois de ter vencido na Indonésia e de ter sido 13.º na Argentina, na ronda anterior. Na prova de abertura, no Qatar, não faturou devido a uma queda. Ainda assim, este é o melhor início de temporada desde que, em 2019, ascendeu às MotoGP.

Em 2019, após três corridas disputadas, somava um 17.º, um 11.º e um 14.º lugar, enquanto em 2020 tinha um oitavo, uma queda e um sexto postos nas três primeiras provas. O ano passado foi o pior dos três, com um 14.º, um 15.º e um 16.º lugar nas três primeiras jornadas do Mundial.

“Apesar de os resultados não serem, nestas três corridas, os que queríamos, pretendíamos mais consistência, foi o melhor começo de campeonato na minha carreira em MotoGP”, frisou.

Por isso, Miguel Oliveira lembra que o objetivo é “ter consistência a longo prazo”. “Isto é uma maratona, não um sprint. Estas três corridas não são representativas de todo o cenário”, garantiu.

Ainda assim, nota que “a qualificação está a tornar-se muito importante em MotoGP” porque, cada vez mais, as motas são influenciadas pela aerodinâmica. “A posição de arranque é uma grande ajuda para o resultado final. Mas ainda há mudanças técnicas que podemos fazer”, concluiu.

Esta sexta-feira disputam-se as duas primeiras sessões de treinos livres, enquanto para sábado estão reservadas mais duas sessões de treinos livres e as duas fases da qualificação (Q1 e Q2).

A corrida disputa-se domingo, às 19 horas (horas em Lisboa)

Fonte: Lusa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.