José Correia venceu Rampa da Penha

0

O “patrão” e piloto do JC Group Racing Team alcançou o seu primeiro triunfo da época e fê-lo com classe e autoridade. Foi sempre cada vez mais rápido na sua nova Norma FC20, registando a sua melhor marca na derradeira subida de prova.

Fim-de-semana de eleição aquele que foi vivido na Penha pela “Família da Montanha”.

O sol reinou durante os dois dias, algo raro na prova vimaranense e o Demoporto rubricou uma exibição organizativa exemplar, com o ritmo de subidas a ser célere e a capacidade de resposta aos incidentes igual. Nota muito alta para o clube portuense.

Para a história ficará uma das melhores exibições de sempre de José Correia. O “patrão” e piloto da JC Group Racing Team ganhou uma nova alma com a aquisição da “barchetta” Norma FC20 e, se em Murça o 2º lugar foi o resultado possível, na Penha revelou um andamento muito forte e que o levou a uma vitória tão saborosa quanto justa.

Basta dizer que os dois melhores tempos absolutos do fim-de-semana são dele, na primeira e na terceira subida de prova, tendo nesta colocado na tabela de tempos a marca de 1:23.737, a uma média de quase 120 Km/h, isto no traçado encadeado e técnico da Penha.

Mas que ninguém pense que foi uma vitória fácil. Hélder Silva (Osella PA2000 EVO-2 PA.30), campeão absoluto em título e líder do campeonato após a vitória na primeira prova da temporada, em Murça, lutou de força intensa e terminou a apenas 0,730 milésimas, isto no somatório das duas melhores marcas.

O pódio absoluto final ficou completo com mais um dos heróis da jornada. Nuno Guimarães está a rodar a um nível muito alto, isto aos comandos do Silvercar S2 da Divisão Protótipos B (teoricamente menos forte). O “Capitão da Montanha” mete assim no seu bornal o segundo pódio da temporada da geral e começa a construir uma época de sonho.

Logo atrás dos 3 protótipos e a “cheirar” o perfume do pódio ficou o “rei” dos GT.

Vítor Pascoal voltou a estar imperial nas contas da sua categoria, que venceu com tranquilidade, levando o Porsche 991 GT3 CUP a um 4º lugar absoluto final que é tão relevante quanto se sabe que o traçado da Penha não favorece as caraterísticas dos GT.

Nesta Categoria, Gabriela Correia (Mercedes AMG GT4) voltou a reclamar o 2º lugar, estando cada vez mais afoita na condução do potente carro alemão e mostrando que tem tudo para este ano começar a discutir as vitórias.

O pódio dos GT ficou fechado com Pedro Silva (Porsche 997 GT3), sendo um prémio justo para a exibição nesta que foi a primeira prova que disputou na temporada.

Quanto à Categoria Turismos, voltou a ter a maior fatia de participantes numa prova do CPM JC Group: 17.

Luís Nunes conquistou na Penha a primeira vitória com o Skoda Fabia R5, dominando categoria e Divisão 1, logrando ainda ser o 5º da geral. Foi mais uma “faena” de classe do “Foguete de Valpaços”, que mostrou mais uma vez que em condições normais não tem adversários à altura na categoria de turismos.

Nas contas da divisão, o 2º posto foi assinado por Manuel Pereira, não sem que enfrentasse alguns problemas na caixa de velocidades do seu Mitsubishi Lancer EVO VI que o forçaram a não concluir a segunda subida de prova. Recuperou na terceira e saiu da Penha com um pódio saboroso.

3º lugar na T1 para o regressado Francisco Morgado, que apostou na regularidade para levar tranquilamente o seu Mitsubishi Lancer ao último degrau do pódio da divisão.

Na categoria T2, destaque para o ritmo forte que Paulo Silva conseguiu imprimir ao seu Audi RS3 LMS, justificando assim ter levado para Braga o troféu destinado ao segundo classificado.

Sem os problemas que o afetaram em Murça, José Carlos Pouca Sorte provou que o seu novo VW Golf R35 tem tudo para ser um carro a ter em conta. Foi sempre muito competitivo na Penha e coroou a exibição com o 3º lugar na T2.

Quanto à Divisão Turismos 1, repetiu-se o “filme” e o “herói”: Parcídio Summavielle está claramente focado em fazer o pleno de vitórias na época.

Nesta segunda jornada do ano, o denominado “Bisturi de Fafe” não deu qualquer hipótese aos seus adversários e terminou com uma vantagem de 3,6 segundos sobre Bruno Carvalho. Este está a tornar-se um dos “rookies” do ano, tal a velocidade que imprime ao seu bem preparado Citroen Saxo, tornando-se já um dos mais ferozes opositores de Summavielle.

A fechar o pódio da T3 ficou Alberto Pereira. O mesãofriense “espreme todo o sumo” do seu Honda Civic Type R e, por vezes, até o “seca”. Foi o caso na Penha quando, na última subida de prova, tentou tudo para chegar ao segundo lugar e viu o motor do carro nipónico ceder. Mas isso não mancha a capacidade competitiva que o antigo edil duriense ostenta em cada prova.

A terceira prova da temporada decorrerá a Sul. A “Família da Montanha desloca-se para Setúbal, para disputar a edição 2022 da Rampa PÊQUÊPÊ Arrábida, nos dias 23 e 24 de abril.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.