Festa do MX em Pegões

0
  • Motos VR MX Spot Challenge 2021

Foi com um fantástico registo de 96 pilotos divididos pelas seis classes em competição que se realizou no passado Domingo a primeira edição do Motos VR MX Spot Challenge. Engalanado de forma fantástica para receber aquela que foi a última corrida do ano o recinto do MX Spot junto a Pegões foi mais uma vez perfeito para uma jornada de elevação do desporto em geral e do motocross em particular.

Em sintonia com o desejo e vontade de pilotos e organização o céu limpo reforçou o ‘abraço’ do sol ás muitas centenas de espectadores que se deslocaram ao recinto para acompanhar ao vivo os pilotos que alinharam na grelha de partida para cada uma das seis corridas realizadas, todas elas recheadas de grandes momentos de motocross no arenoso piso de uma pista que foi preparada ao pormenor para acolher o evento.

Sendo a única classe reservada em exclusivo aos modelos Yamaha as 50cc contaram com seis pequeninos pilotos aos comandos das suas irrequietas PW. Com 600 metros de perímetro a pista dos mais pequenos viu Francisco Fernandes vencer de forma autoritária depois de assumir a primeira posição na segunda volta por troca com Gustavo Ferreira. Esta foi mesmo a única alteração na classificação pois todo o restante pelotão não se alterou do arranque até ao final. Ricardo Trindade foi o terceiro na frente de Gustavo Lindo, Vicente Lindo e Gabriel Xavier.

Nas velozes e endiabradas 65cc – com 11 pilotos em prova – os pilotos utilizaram a pista maior com 1250 metros no total de cada volta. A vitória foi para Francisco Fernandes que depois de ser segundo nas primeiras três voltas desceu ao quarto posto na quarta passagem das 10 que foram realizadas. Mas Fernandes não baixou os braços e na quinta passagem era segundo na perseguição a Duarte Filipe, comandante desde o arranque mas que acabou por não conseguir segurar o rival e a duas voltas do final a primeira posição ficou nas mãos de Fernandes que não mais largou a mesma até receber a bandeira de xadrêz. Duarte Filipe foi o segundo, Duarte Marques o terceiro e Isaac Santos – o campeão nacional 50cc em 2021 – estreou-se da melhor forma com a sua nova 65 para terminar em quarto na frente de Gabriel Lopes.

Com a cilindrada a crescer e o ritmo por volta a ser cada vez mais intenso, os 13 pilotos das 85 proporcionaram também eles uma excelente corrida como atestam os três nomes que passaram pela liderança no final das suas 12 voltas. Após o arranque foi Gonçalo Cardoso quem arrancou na frente do pelotão, mas o piloto algarvio não teve a sorte do seu lado e foi mesmo forçado a abandonar na quarta volta, ficando então a liderança com Guilherme Leandro. O ritmo era intenso e na nona passagem pela linha de meta o comando estava nas mãos de um novo piloto, Guilherme Esteves, que depois de ser quarto no final da primeira volta ‘agarrou’ em definitivo o lugar mais alto do pódio na frente de Guilherme Leandro e Afonso Fonseca. Vasco Salgado foi o quarto e Guilherme Alves o quinto classificado, posições decididas desde a sexta volta da corrida.

Nas 125cc o dominador foi sem qualquer margem para dúvida Sandro Lobo. Dono de uma condução limpa, espectacular e sem erros liderou a totalidade das voltas confirmando a rapidez e o á vontade que tinha revelado logo aquando dos treinos. Deliciando todos aqueles que acompanharam a prova ao vivo, Lobo fechou as 13 voltas de corrida com mais de um minuto de vantagem sobre Martim Palma e Daniel Paiva, estes a trocarem de posição precisamente a meio da corrida com Paiva a descer ao degrau mais baixo do pódio. João Noruegas foi um sólido quarto classificado na frente de Rodrigo Santos que rodou sempre em quinto desde o arranque.

Nas 250 a liderança foi de Jorge Leite desde o arranque até á bandeira de xadrêz. Com duas dezenas de pilotos em pista a liderança nunca mudou de mãos e poucas foram mesmo as alterações atrás do piloto de Cascais. Pedro Rino e David Fernandes trocaram de posição logo na segunda volta e tomaram conta dos dois lugares do pódio para acompanhar Jorge Leite. Henrique Nogueira foi sempre o quarto classificado na frente de Vitor Queirós, igualmente sempre na quinta posição a cada uma das 18 voltas realizadas nos 20 minutos mais duas voltas que durou a manga.

A fechar o programa e com o sol a manter as temperaturas bem agradáveis, foi imenso o espectáculo proporcionado pelos pilotos das 450cc. Num pelotão onde estiveram os nomes de Hugo Basaula ou o recém-coroado campeão nacional Luis Outeiro, destacou-se também a presença de Luis Oliveira que foi mesmo o vencedor da corrida. Sem erros e com um ritmo perfeito Oliveira foi mais pressionado na fase inicial por Basaula, mas este acabou por ser ultrapassado por Luis Outeiro – que primeiro teve que se desembaraçar de um igualmente veloz e eficaz Ricardo Aires – na sétima volta, tentando depois o piloto do Alqueidão levar a melhor perante Oliveira. Mas este resistiu e manteve sempre o comando do pelotão, descolando novamente na fase final da corrida para terminar com 13 segundos de vantagem face a Outeiro. Ricardo Aires foi o terceiro classificado – Hugo Basaula acabou por abandonar antes do final com problemas de ‘arm pump’ – depois de passar André Sérgio a suas voltas do final. Na quinta posição terminou Alexandre Cardoso.

Um final em ritmo acelerado que encerrou da melhor forma esta primeira edição do Motos VR MX Spot Challenge, prova que regressará novamente em 2022 para celebrar de forma bem espectacular o motocross.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.