Vitória para Carlos Vieira na segunda corrida da GT3 Cup em Portimão

0

Carlos Vieira não deixou créditos por mãos alheias na segunda corrida, este domingo, da segunda jornada da GT3 Cup, no Autódromo Internacional do Algarve, em Portimão, e levou de vencida José Rodrigues, num duelo interessante, saindo ambos do Algarve com saldo idêntico: uma vitória e um segundo lugar.

À semelhança do sucedido no dia anterior, Vieira e Rodrigues repetiram o protagonismo, com um e outro a alternarem a liderança e quando tudo parecia indicar que este último ia somar a segunda vitória consecutiva no fim de semana, eis que o seu rival, num ‘golpe de mestre’, arrebate-lhe a primeira posição. Mesmo assim, o vencedor queixou-se de problemas na eletrónica do seu carro, impedindo-o de manter um ritmo constante.

No terceiro lugar do pódio acabou Francisco Carvalho, que acabaria por estar envolvido no acidente, logo na terceira volta, que ditou as desistências de Jorge Areia e de Vasco Barros e ainda obrigou à entrada do Safety Car (2 voltas em pista). Barros subira ao segundo lugar depois da partida e Areia andava bem perto, com o piloto da Guarda de permeio, procurando não perder contacto com Vieira e Rodrigues.

Sem Areia e Barros, Carvalho ficou isolado no terceiro lugar, com alguma vantagem para o veterano Mário Silva que fez uma corrida inteligente, sendo de salientar, também, o desempenho de Francisco Cruz, um estreante que, sempre muito certinho, terminou como vencedor da categoria AM e ainda num excelente quinto lugar absoluto. Diogo Rocha e João Posser ocuparam os restantes lugares do pódio naquela categoria.
João Parreira chamou a si o triunfo na categoria GD que dominou do princípio ao fim, batendo João Vieira e Hugo Guimarães.

A próxima jornada da GT3 Cup, a terceira da época, está agendada para o mesmo Autódromo Internacional do Algarve, nos próximos dias 17 e 18 de julho.

CORRIDA 2
1º, Carlos Vieira (PRO), 12 voltas
2º, José Rodrigues (PRO), a 0.864s
3º, Francisco Carvalho (PRO), a 12.932
4º, MDriving Racing Team, Mário Silva (PRO), a 14.412
5º, MDriving Racing Team, Francisco Cruz (AM), a 27.672
6º, Revislogos, João Parreira (GD), a 34.483
7º, João Vieira (GD), a 45.622
8º, Diogo Rocha (AM), a 47.904
9º, Monteiros Competições, Hugo Guimarães (GD), a 57.219
10º, João Posser (GD), a 58.744
11º, José Rocha (AM), a 1.17.890
12º, Monteiros Competições, Alfredo Barros (AM), a 1.22.536
13º, José Oliveira (GD), a 1.33.815
14º, MDriving Racing Team, Nuno Mousinho (AM), a 1 volta

Volta mais rápida: Carlos Vieira, 1m49.277s

As reações dos Pilotos

Carlos Vieira (1º): “Até o Safety Car entrar em pista esteve tudo perfeito, depois, infelizmente, voltaram os problemas no carro. Eu ia fazendo ‘reset’ no motor do carro, sabendo as zonas onde era mais rápido. A certa altura o Zé Rodrigues ia a fazer uma dobragem e eu caí em cima dele, para ultrapassá-lo por fora. Esta vitória deixa-me mais animado, em termos de futuro, mas para vencer a GT3 Cup teremos que resolver o problema do carro. E eu confio na minha equipa para o fazer”.

José Rodrigues (2º): “Tinha a corrida garantida, digamos assim, mas preferi adotar uma estratégia de inteligência, evitando qualquer tipo de ‘toques’ antes da entrada do Safety Car. Vi que tinha andamento para ultrapassar o Vieira e passei para a frente, mas na penúltima volta, na saída da torre tive que levantar o pé e ele atacou com tudo. Teve mérito. Preferi não correr riscos, porque o campeonato não acabava nesta corrida. Saio de Portimão não só muito satisfeito pela ‘performance’ global que consegui, mas também orgulhoso e confiante em relação ao futuro”.

Francisco Carvalho (3º): “No início passei o José Rodrigues e pensei que ia discutir com o Carlos Vieira o primeiro e o segundo lugares. Tinha o Vasco Barros à minha frente, tentei meter, mas ele acerta no meu carro e fiquei com a roda em mau estado, obrigando-me a fazer um grande esforço com o volante. Foi um acidente de corrida num fim de semana agridoce. Tinha carro para melhor, mas a sorte não quis nada comigo. O terceiro lugar de hoje foi um magro consolo”.

Mário Silva (4º): “Já conhecia melhor o carro e isso já me permitiu terminar nos quatro primeiros lugares, junto do Francisco Carvalho, que é uma referência. Poderia arriscar, mas não valia a pena. Gostei imenso de andar no grupo dos primeiros, no qual me senti bastante confortável para começar uma carreira…”

Francisco Cruz (5º): “Estou muito contente. Ainda há três semanas estava em casa a ver a Fórmula 1 no Mónaco e a Super Cup e agora vim correr aqui, para concretizar um sonho, e acabo a corrida no quinto lugar absoluto. É qualquer coisa de incrível. Diverti-me imenso e adorei. Sinto um misto de felicidade e de emoção”.

João Parreira (6º): “Fiz uma corrida com cabeça e paciência e, sobretudo, muita regularidade, ao contrário do que sucedera no dia anterior. Depois, foi rodar em solitário e gerir a vantagem até ao final”.

João Vieira (7º): “A prova correu-me mais ou menos bem, pois tive duas falhas, a primeira no arranque, em que fiquei um pouco para trás, e depois na saída do Safety Car, quando deixei demasiado espaço. De resto, adotei um ritmo muito constante e o balanço acaba por ser bastante positivo”.

Diogo Rocha (8º): “Correu tudo bem, fui segundo da minha categoria e agora é tempo de esperar pelas próximas corridas, nesta mesma pista”.

Hugo Guimarães (9º): “Arranquei bem e com a saída de prova do Areia fiquei em primeiro da categoria, procurando defendê-la. Contudo, o Parreira tem um andamento mais forte que o meu. Depois, em determinada altura carreguei no botão de boxe [velocidade limitada a 60 km/h] e com esse erro o meu adversário direto, Diogo Rocha, aproveitou para me ultrapassar. De qualquer modo, acabei no pódio esta primeira experiência com o Porsche 997 GT3 Cup, o que foi ótimo”.

João Posser (10º): “Foi uma loucura a minha primeira corrida ao volante de um Porsche. Correu muito bem, espetacular, melhor do que poderia imaginar”.

José Rocha (11º): “Tirando o calor dentro do carro, foi tudo excelente. A única falha é a falta de ar condicionado no carro…”.

Alfredo Barros (12º): “Gostei, é divertido. Fiz um ‘pião’ para deixá-los passar e lá fui para trás outra vez. Procurei sempre evitar os ‘toques’, ao contrário de outros adversários…”

José Oliveira (13º): “Evoluí mais um pouco, fazendo uma corrida tranquila. Agora sinto-me mais seguro e confiante. É uma corrida de cada vez”.

Nuno Mousinho (14º): “Tudo ótimo, diverti-me que nem um maluco!”

Jorge Areia (desistente): “Aconteceu um acidente de corrida. O Francisco Carvalho deu um ‘toque’ no Vasco Barros, o carro deste rodou e acertou de marcha atrás na parte frontal do meu. Não tinha como evitar o embate. Estava a ser um fim de semana fabuloso e nesta corrida tinha pensado atacar no final, mas acabou tudo muito antes. Coisas das corridas…”

Vasco Barros (desistente): “Vê-se claramente que há pessoas que fazem o que querem e nada lhes acontece. O Francisco [Carvalho] deu-me um ‘toque’, levando-me a fazer um ‘pião’ e logo a seguir, inevitavelmente, o Areias acertou no meu carro”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.