Miguel Oliveira super-motivado para Barcelona

0

Depois de ter feito pódio em Mugello, Miguel Oliveira foi um dos pilotos que marcou presença na conferência de imprensa de antevisão ao Grande Prémio da Catalunha de MotoGP, uma prova na qual o português da KTM assume o desejo de conseguir confirmar as boas indicações que deixou em Itália, onde conseguiu ser o segundo colocado, apenas atrás do dominador Fabio Quartararo.

“Estou confiante, claro. O pódio dá-nos sempre uma confiança extra para o fim de semana de corridas, especialmente quando é algo assim tão junto [o GP de Itália foi no domingo]. Fizemos um bom trabalho em Mugello. Creio que os passos em frente que demos lá irão ajudar-nos aqui. É isso que esperamos. Tencionamos acabar bem o fim de semana e ter uma boa performance”, começou por dizer o português.

Questionado sobre se vê a evolução certa na KTM e se ainda acredita no título, Oliveira frisou as evoluções sentidas nas últimas semanas e optou por focar-se nos resultados, fim de semana a fim de semana, do que propriamente num objetivo distante. “Esperamos que este Grande Prémio nos dê outra confimação de que estamos num bom caminho. Nunca é algo certo, porque temos de nos adaptar a certas situações, mas estamos confiantes no trabalho que fizemos nas últimas semanas e que aqui será a confirmação disso mesmo. Eu e Brad [Binder] temos sido rápidos e isso já confirma algo. Só temos de traduzir isso em resultados no domingo. Quando começámos o objetivo era alto, porque ninguém está aqui para ser segundo ou terceiro. Acredito que se nos focarmos em cada resultado podemos atingir melhores coisa para o futuro. Esperamos que seja isso que aconteça”.

A finalizar, Miguel Oliveira abordou a mudança de Remy Gardner para a equipa KTM Tech 3 em 2022. Antigo piloto da formação satélite da KTM, o piloto de Almada prevê uma experiência positiva para o australiano e aproveitou para lhe deixar uma mensagem de boa sorte. “É uma grande equipa, foi a minha casa durante duas épocas. Tem um ambiente muito bom, ele sabe isso do Moto2. E esta é uma moto muito mais agradável do que aquela que encontrei em 2019. Na altura era muita coisa ao mesmo tempo, uma nova equipa, uma nova marca, mas agora creio que está em modo cruzeiro e que será bom. Tudo está a correr bem e ele irá desfrutar da moto. Desejo-lhe o melhor”.

Por outro lado, num dia que ficou já marcado pela confirmação de mais dois contratos para 2022 (Johann Zarco e Jorge Martin, que seguem na Pramac Ducati), Oliveira não abriu o jogo quanto à sua situação. “A questão dos contratos é sempre à volta de quem se mexe primeiro. Eu assinei por dois anos, depois disso veremos”, finalizou o piloto de Almada, que tem vínculo com a KTM até 2022.

Fonte: record.pt

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.