Stéphane Peterhansel vence o Dakar pela 14.ª vez

0
  • A última etapa foi ganha por Carlos Sainz

O francês Stéphane Peterhansel (Mini) conquistou esta sexta-feira, pela 14.ª vez na carreira, o rali Dakar de todo-o-terreno, após a 12.ª e última etapa da categoria de carros da 43.ª edição da prova, vencida pelo espanhol Carlos Sainz (Mini).

O piloto madrileno concluiu os 225 quilómetros cronometrados em 2:17.33 horas, deixando o catari Nasser Al-Attyiah (Toyota) em segundo, a 2.13 minutos, com Peterhansel a ser o terceiro classificado, a 2.53 minutos.

Peterhansel: «Vencer o Dakar é complicado, não há vitórias fáceis»PUBhttps://92c90d26bc7f1158c01b6800fbd61415.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-37/html/container.html

Peterhansel: «Vencer o Dakar é complicado, não há vitórias fáceis»
Francês venceu a prova pela 14.ª vez

O francês Stéphane Peterhansel (Mini) admitiu esta sexta-feira sentir “a mesma emoção”, após vencer pela 14.ª vez o rali Dakar de todo-o-terreno, cuja 43.ª edição terminou hoje com a oitava vitória do “Senhor Dakar” na categoria de automóveis.

“Continuo a sentir a mesma emoção. Vencer o Dakar é complicado, não há vitórias fáceis. Esta até pode ter parecido a quem vê de fora, mas foi difícil gerir a pequena diferença para [o catari] Nasser Al-Attyiah. Sentia o corpo muito tenso. Mas a experiência e a capacidade de manter a calma ajudou-me a vencer”, contou.

Com este triunfo, Peterhansel tornou-se o primeiro piloto a vencer em três continentes diferentes, 30 anos depois de ter festejado o primeiro triunfo, em motas, em 1991, em África.

Peterhansel, que vencera as edições de 1991, 1992, 1993, 1995, 1997 e 1998 em motas, somou este triunfo em carros aos já conseguidos nos anos de 2004, 2005, 2007, 2012, 2013, 2016 e 2017, concluindo a prova em 44:27.11 horas, menos 14.51 minutos do que Al-Attyiah, que foi segundo, apesar de ter vencido seis etapas.

A edição deste ano começou com uma vitória de Al-Attyiah, no prólogo, mas Peterhansel considerou que esse foi “o primeiro erro” do piloto da Toyota.

“Essa foi a diferença. Ele ganhou o prólogo e acho que foi o primeiro erro dele. Provavelmente, perdeu o Dakar porque quis ganhar o prólogo”, frisou o piloto francês, confessando que “a primeira vitória, nas motas” ainda é a sua “preferida”.

Fonte: Lusa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.