Novo Opel Mokka: a melhor aerodinâmica para maior eficiência e menores emissões

0
  • cD de apenas 0.32: o coeficiente de resistência ao ar do novo Mokka está entre os mais reduzidos da sua classe;
  • Defletores de ar: melhoria na penetração no ar e separação de correntes nas rodas;
  • Fecho automático da cortina do radiador sempre que é exigido menor arrefecimento.

O ‘design’ exterior do novo Opel Mokka não é apenas puro e arrojado, mas também aerodinamicamente eficiente, tipicamente Opel. Com um coeficiente de penetração no ar (cD) de apenas 0.32, o novo Mokka apresenta um dos valores mais reduzidos do seu segmento, juntando-se aos demais campeões aerodinâmicos da marca, desde o recordista Opel Calibra (cD de 0.26) até os atuais líderes de classe Astra (0.26) e Insignia (0.25).

Face aos desafios colocados pela redução dos níveis de emissões de CO2, a aerodinâmica eficiente ganha uma importância acrescida na indústria automóvel e os consumidores têm consciência disso. Um baixo coeficiente de resistência ao ar significa que o automóvel necessita de menos energia para progredir, o que, por sua vez, resulta em menores consumos de combustível e menores emissões.

Tal como em todos os recentes modelos desenvolvidos pela Opel, os engenheiros da marca alemã otimizaram a aerodinâmica do novo Mokka no túnel de vento do Instituto de Pesquisa de Engenharia Automóvel e de Motores da Universidade de Estugarda. Dependendo da versão do modelo, os resultados alcançaram um excelente nível de cD de 0.32.

«Há décadas que Opel assume uma liderança destacada em aerodinâmica e o nosso novo Mokka dá continuidade a essa longa tradição», sublinha o Diretor-Geral de Engenharia da Opel, Markus Lott. «Tecnologias sofisticadas, como os defletores de ar e a cortina ativa para o arrefecimento representam tecnologia de ponta no domínio da redução dos fatores de resistência ao ar no sector automóvel. Dotado de um ‘design’ muito atraente, o novo Mokka também prova que os visuais atrativos e os formatos de elevada eficiência estão longe de serem unilateralmente exclusivos.»

‘Design’ marcante e puro dá destaque à reduzida secção frontal

A base para a elevada eficiência aerodinâmica é a nova secção frontal do Mokka, com apenas 2,27 metros de superfície, aperfeiçoada por um ‘design’ puro e marcante. Com o auxílio da dinâmica de fluidez computacional (CFD) e a atenção a todos os detalhes dedicada no túnel de vento, os especialistas de aerodinâmica da Opel conseguiram diminuir o coeficiente de penetração no ar a um patamar de excelência, afinando todos os pontos que ajudavam a melhorar a aerodinâmica.

Os engenheiros otimizaram o ‘design’ do inovador Opel Vizor do novo Mokka, bem como as formas dos pilares A e dos retrovisores exteriores. Além disso, o revestimento que cobre a parte inferior do compartimento do motor e a parte inferior da carroçaria melhora o fluxo de ar que flui por baixo da viatura.

O novo Mokka ostenta umas aletas nas laterais do portão traseiro, bem como um ‘spoiler’ alongado no topo da tampa da bagageira, com o objetivo de reduzir a turbulência na traseira do automóvel. Além disso, esse ‘spoiler’ reduz a elevação aerodinâmica do eixo traseiro, melhorando, ainda mais, a estabilidade em linha reta, especialmente a velocidades mais elevadas.

Defletores de ar e cortina ativa: inovações para uma maior eficiência e menor resistência ao ar

Dos principais fatores que aumentam a resistência ao ar são, normalmente, as jantes, os pneus e as cavas das rodas. Para o efeito e nesta área, o novo Mokka conta com inovadores defletores de ar que aumentam a eficiência aerodinâmica. Estes defletores traduzem-se em condutas integradas de cada lado da secção dianteira, as quais criam jatos de ar, elevados e finos, à frente das rodas dianteiras. Essas cortinas de ar direcionam o fluxo suavemente através das aberturas das rodas, diminuindo a resistência do fluxo de ar que se gera nessas zonas.

O novo Mokka também está equipado com uma cortina ativa de grelha dianteira que reduz, ainda mais, a resistência e melhora a eficiência de consumos, fechando automaticamente a abertura frontal quando é necessário um menor volume de ar para arrefecimento. Até a um passado recente, esta inovação tem sido mais comum em modelos mais caros, de segmentos superiores.

Uma vez fechado, o sistema melhora o desempenho aerodinâmico, redirecionando o fluxo de ar em redor da frente do veículo e para as suas laterais inferiores, em vez de o deixar percorrer a área do compartimento do motor, muito menos eficiente neste domínio.

A cortina da grelha abre ou fecha automaticamente dependendo da temperatura e da velocidade do sistema de arrefecimento do motor. Por exemplo, abre quando o motor está em esforço ou em condução mais quente em cidade, fechando quando é preciso menor fluxo de ar para arrefecimento do motor, como por exemplo, em velocidades adotadas em estradas secundárias.

Os resultados deste trabalho em aerodinâmica são notáveis: por comparação com o modelo anterior, que tinha um coeficiente de penetração de 0.35, as emissões de CO2 (ciclo WLTP) baixam até 9,0 g/km, enquanto a resistência ao ar a velocidades adotadas em autoestrada se viu reduzida em 16 por cento.

Aerodinamicamente otimizado, o novo Opel Mokka é o primeiro modelo a ostentar o novo ‘design’ da marca, o Opel Vizor, bem como o redesenhado emblema Opel Blitz, e a identificação de modelo posicionada centralmente no portão traseiro. É também o primeiro Opel equipado com o sistema Pure Panel, um ‘cockpit’ integralmente digital. Além disso, o novo Mokka é o primeiro modelo da Opel disponível, logo desde o início de vendas, com uma oferta de motorização elétrica e motores de combustão de elevada eficiência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.