Dia difícil para Lourenço Rosa e Joaquim Dias

0
  • No final da primeira etapa, Lourenço Rosa e Joaquim Dias estão na 18ª posição da categoria T4 SSV
  • Dois furos na travessia de um mar de pedra, mas com saldo final positivo

E começou o verdadeiro Dakar Rally, aquele que como é hábito coloca desafios atrás de desafios a pilotos e máquinas em cada quilómetro de competição, e antes das dunas veio a pedra. Esta primeira etapa deixou marcas no pelotão com muitos concorrentes a terem muitos problemas para resolver e furos, muitos furos, num percurso marcado primordialmente pelas rochas que foram dificultando o avanço das equipas.

Lourenço Rosa e Joaquim Dias tiveram igualmente a sua dose de problemas, com duas paragens para trocar dois furos, tantos quanto as rodas suplentes que conseguiam transportar no seu Can-Am Maverick XRS, o que acabou por condicionar o ritmo de prova após terem esgotado as rodas suplentes para não correrem o risco de hipotecar a chegada ao final da etapa.

Entretanto, após a chegada, a equipa foi informada de uma penalização de 6 minutos por terem excedido o limite de velocidade numa das zonas de controlo. Contas feitas terminam o dia no 18º posto por entre os concorrentes da sua categoria.

“O Dakar é de facto uma prova duríssima, foi o desafio mais difícil que enfrentei até hoje, sentimos que agora sim começou a prova a sério, muito duro e muito esforço, para nós concorrentes.

É incrível perceber a resistência que estes carros possuem para aguentar percursos como o que encontramos, com muitos e muitos quilómetros a passar sempre em zonas rochosas, fomos encontrando dezenas de concorrentes parados com problemas técnicos e com furos, sendo que nós furamos duas vezes, mas dentro do mau até correu pelo melhor pois conseguimos chegar ao final, embora com um ritmo muito mais lento após o segundo furo por segurança.

Chegamos a rolar em 8º, neste momento estamos no 18º lugar da nossa categoria depois de uma distração que valeu uma pequena penalização. Estamos satisfeitos e também por percebermos o quanto é importante estarmos cientes de quando devemos conceder e baixar o ritmo com os olhos no objetivo final. Sabíamos que poderíamos contar com um pneu emprestado por um nosso colega espanhol da equipa South Racing que rolava atrás de nós e não tinha ainda furado, mas felizmente não foi preciso e terminamos esta primeira etapa num resultado que nos deixa a ambos satisfeitos.

Amanhã teremos mais dunas, mais areia, e é tempo de recuperarmos fisicamente pois o dia de hoje também foi muito exigente para nós, com o corpo a ter de absorver muita pancada e solavancos na transposição do percurso. Isto é o Dakar e se é assim no início estou curioso para perceber o que nos reserva mais para a frente.”

A segunda etapa do Dakar Rally coloca as equipas amanhã em mais 457 quilómetros de especial cronometrada, com as verdadeiras dunas a marcarem presença pela primeira vez, e num percurso praticamente todo realizado através do deserto e caminhos arenosos, ligando Bisha a Wadi Ad-Dawasir.

CLASSIFICAÇÃO GERAL ATUAL (ás 18:00 de Portugal com aplicação de penalização de 6 minutos):
18º lugar – SSV categoria T4
23º lugar – Lightweight Vehicles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.