Pedro Antunes e Pedro Alves vencem e adiam decisão dos títulos

0

Mostrando-se a mais rápida no cômputo das 4 primeiras especiais do Rally La Nucía-Mediterráneo 1, corridas esta manhã, a dupla Pedro Antunes / Pedro Alves sagrou-se vencedora da 3ª prova da PEUGEOT RALLY CUP IBÉRICA 2020, impondo-se aos adversários Daniel Berdomás / Brais Mirón e Álvaro Muñiz / Javier Martinez, respetivamente 2ºs e 3ºs classificados, por 10,6 e 17,8 segundos.

Com estes resultados e dado o 5º lugar da dupla Alejandro Cachón / Alejandro López, que esta manhã partiu como líder provisório da copa, a atribuição dos títulos de 2020 fica adiada para os troços da tarde, que no seu conjunto irão compor o 4º e derradeiro confronto da iniciativa que tem no novo Peugeot 208 Rally 4 o cavalo de batalha do pelotão de leões.

Serão, de novo, 10 as equipas à partida da segunda parte deste rali de asfalto, sendo que Alejandro Cachón / Alejandro López (54,83 pontos) viram reduzir-se para apenas 1,28 pontos a sua vantagem pontual para Pedro Antunes / Pedro Alves (53,55 pontos), tendo no seu encalço Sergí Francoli / María Salvo (44,25 pontos), os ocupantes provisórios dos lugares de topo da copa, e os mais prováveis pretendentes aos títulos de 2020.

Correu-se na manhã deste sábado a terceira prova da Temporada 3 da PEUGEOT RALLY CUP IBÉRICA, compondo-se dos 4 troços cronometrados das duas primeiras secções do Rally La Nucía-Mediterráneo 2020. Um total de 70,1 km que a dupla portuguesa Pedro Antunes / Pedro Alves foi a mais lesta a cumprir, garantindo, com isso, os 25 pontos correspondentes à vitória, somando ainda 1,25 pontos pelo facto de terem sido os mais rápidos numa dessas especiais.

Com isso e também pelo facto do restante pódio ter-se composto de Daniel Berdomás / Brais Mirón e Álvaro Muñiz / Javier Martinez, respetivamente 2ºs e 3ºs classificados, deixando atrás de si Sergí Francoli / María Salvo (4ºs classificados) e Alejandro Cachón / Alejandro López (5º lugar), a decisão pelos títulos da PEUGEOT RALLY CUP IBÉRICA fica adiada para a secção da tarde da prova, organizada na região de Alicante pelo Automóvil Club AIA.

Feitas as contas aos 3 resultados já acumulados – Alto Tâmega, Princesa de Asturias e este La Núcia-Mediterráneo 1 – a copa de Pilotos mantém Alejandro Cachón no topo da tabela, somando 54,83 pontos, seguindo de Pedro Antunes (53,55 pontos), Sérgi Francolí (44,25 pontos), Pedro Almeida (32 pontos), Álvaro Muñiz (31 pontos) e Óscar Palomo (30,83pontos). Nos Navegadores o escalonamento é em tudo semelhante, com os mesmos diferenciais de pontos entre Alejandro Lopéz, que se mantém no 1º lugar provisório, seguido de Pedro Alves e de María Salvo.

Note-se ainda que para as contas finais da copa e conforme o Regulamento Desportivo, no final da temporada apenas se contabilizam as 3 melhores pontuações conquistadas, do total de 4 ralis corridos, pelo que no final do Rally La Nucía-Mediterráneo 2, desta tarde, poderá haver resultados para deitar fora, em alguns casos um conjunto de pontos valiosos que poderão complicar a contabilidade dos títulos.

Acrescente-se que José María Reyes / Diego SanJuan, que acabaram de alcançar um 6º lugar na copa, não pontua nem rouba pontos aos seus adversários, pelo que todas as equipas classificadas atrás de si recebem os pontos correspondentes ao lugar imediatamente acima. Segundo o Regulamento Desportivo, quem se inscreva no último rali da época não pontua para a copa (no presente caso tal é duplamente válido para este duplo Rally La Núcia-Mediterráneo (1 e 2).

PEDRO ANTUNES / PEDRO ALVES ENTRAM LOGO AO ATAQUE

Demonstrativo do facto de que se mantêm na luta pelo título e apesar de correrem fora de portas, a Pedro Antunes / Pedro Alves iniciaram logo ao ataque a primeira secção do rali, registando o tempo mais rápido no troço de Alcoleja / Penáguila (20,88 km), batendo os rivais galegos Daniel Berdomás / Brais Mirón por 9,9 segundos e a dupla espanhola Óscar Palomo / José Pintor por 15,4 segundos. A dupla portuguesa viu-se ainda beneficiada pelo facto de ambos os seus adversários terem sofrido uma penalização de 10 segundos, por um atropelo ao regulamento, contribuindo para incrementar a sua vantagem.

Seguiram-se os 14,17 km do troço de Benasau / Tomás Ortiz, palco da ES2 e onde, desta feita, os mais rápidos foram Sérgi Francolí / María Salvo, com 8,1 segundos sobre o Peugeot 208 Rally 4 de Antunes / Alves e 10,1 segundos sobre Berdomás / Mirón. Destaque-se o facto de Palomo / Pintor terem sofrido um percalço na ES2 e, com isso, verem-se relegados do 3º lugar para a 10ª e última posição entre os concorrentes da copa ibérica de ralis.

Feitas as contas aos dois primeiros troços do dia, Pedro Antunes / Pedro Alves alcançaram uma vantagem de 20,6 segundos sobre Sérgi Francolí / María Salvo, que por sua vez tinham Daniel Berdomás / Brais Mirón a uns magros 2 segundos. À espreita de um lugar no pódio, se bem que a uns 24,7 segundos estavam Álvaro Muñiz / Javier Martinez, tendo 5,9 segundos atrás de si Alejandro Cachón / Alejandro López, encontrando-se, nesta fase, a mais de 50 segundos do lugar de topo. Quem também ficou para trás foi o ‘Campeão’ de 2018 da copa, Roberto Blach, fruto de uma penalização de 2 minutos sofrida logo no troço de abertura.

ALEJANDRO CACHÓN / ALEJANDRO LÓPEZ AO ATAQUE

Após um intervalo de cerca de 3 horas, iniciou-se a segunda ronda por estes mesmos 2 troços – Alcoleja / Penáguila (20,88 km) e Benasau / Tomás Ortiz (14,17 km) – onde a luta entre os endiabrados Peugeot 208 Rally 4 continuou a dar um brilho especial a esta jornada também pontuável para o Campeonato de Espanha de Ralis de Asfalto.

Tentando recuperar o atraso inicial, Alejandro Cachón / Alejandro López deram tudo o que tinham e levaram de vencida a ES3, impondo-se a Álvaro Muñiz / Javier Martinez, por 1,6 segundos, e a Daniel Berdomás / Brais Mirón por 2 segundos adicionais. Já Pedro Antunes / Pedro Alves registavam apenas o 5º tempo, perdendo 11,1 segundos para a dupla vencedora do troço e vendo aproximar-se o Campeão de 2019 da copa.

O mesmo aconteceu em Benasau / Tomás Ortiz, a última especial da manhã, com Cachón / López a imporem-se por 1,1 segundos à dupla Muñiz / Martinez, deixando Berdomás / Mirón a 3,3 segundos, troço em que os líderes Antunes / Alves não foram além de 4ºs, resultado que, ainda assim, lhes permitiu manter o 1º lugar e levar de vencida este Rally La Nucía-Mediterráneo 1.

Contabilizando-se os tempos dos 4 troços que compuseram esta muito reduzida 3ª prova da PEUGEOT RALLY CUP IBÉRICA 2020, totalizando 70,1 km cronometrados, o escalonamento final (provisório) é o seguinte:

Classificação Geral (provisória) do Rali La Nucía-Mediterráneo

3º prova da PEUGEOT RALLY CUP IBÉRICA 2020

1º Pedro Antunes / Pedro Alves, 45m 08,5s (PT Racing)
2º Daniel Berdomás / Brais Mirón, a 10,6s (GC Motorsport)
3º Álvaro Muñiz / Javier Martinez, a 28,4s (Race Seven)
4º Sergí Francoli (1º Junior) / Maria Salvo, a 31,1s (Mavisa Sport)
5º Alejandro Cachón (2º Junior) / Alejandro López, a 31,5s (Alvemaco Sport)
6º José María Reyes / Diego SanJuan, a 1m42,5s (-)
7º Pedro Almeida / Hugo Magalhães (3º Junior), a 1m 59,4s (The Racing Factory)
8º Alejandro Martin (4º Junior) / Pedro Dominguez, a 2m 48,5s (TRS)
9º Óscar Palomo (5º Junior) / José Pintor, a 3m 34,8s (Mavisa Sport)
10º Roberto Blach (6º Junior) / Alain Peña, a 3m35,3s (TRS)

Nota 1: Todos em Peugeot 208 Rally 4

ANTECIPA-SE UMA SEGUNDA PARTE DO RALI LA NUCÍA MUITO QUENTE

A partir das 15h30 corre-se segunda parte da prova de Alicante, no que será um novo rali, assumindo-se como a 4ª e última jornada da PEUGEOT RALLY CUP IBÉRICA 2020. Os contadores de tempos serão, assim e agora, recolocados a zero, passando apenas a contar o acumulado de tempos registados nos 57,98 km dos 4 tropos cronometrados da tarde: a abrir os 13,79 km da especial de Bolulla/ Coll de Rates, seguindo-se Pego / Petracos (18,67 km) e Tarbena / Coll de Rates (6,85 km), fechando-se a contenda com a repetição do troço de Pego / Petracos.

Recorde-se que estão por atribuir 25 pontos correspondentes à vitória, mais 20 pontos de um 2º lugar e 17 pontos de um 3º, num leque de pontuações que se prolonga pelo top-10 (14, 12, 10, 8, 6, 4 e 2 pontos, respetivamente, do 4º ao 10º classificados). Há ainda a ter em conta o proporcional de 5 pontos a distribuir pelos mais rápidos nas 4 Especiais deste rali que, tal como no da manhã, deu um bónus adicional de 1,25 pontos a cada melhor tempo em troços. Há, também, uma pontuação a descontar, do total de 4 acumuladas ao longo do ano, conforme expresso no Regulamento Desportivo da PEUGEOT RALLY CUP IBÉRICA.

Uma vez estabelecida a derradeira Classificação Final do presente ano, ficar-se-ão a conhecer os Campeões de 2020 da inédita copa ibérica de ralis, divididos por Portugal e Espanha. Decorrente da situação de pandemia que, entre outros, afeta ambos os países e, que obrigou a múltiplas alterações de calendário, a edição deste ano correu-se única e exclusivamente em troços de asfalto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.