Lewis Hamilton vence e faz história em Nurburgring

0

O piloto da Mercedes, Lewis Hamilton, alcançou a sua 91ª vitória na carreira, igualando o recorde de Michael Schumacher. Hamilton, que esteve envolvido num duelo particular com Max Verstappen, realizou duas paragens. O britânico iniciou a corrida com macios, equipou médios na primeira visita às boxes e terminou a corrida com macios. Verstappen, piloto da Red Bull que terminou na segunda posição, seguiu uma estratégia idêntica, parando nas mesmas voltas que Hamilton.

A estratégia de corrida acabou por ser influenciada por um safety car virtual e depois por um safety car. Durante o safety car virtual, vários pilotos decidiram realizar a primeira paragem: incluindo os três primeiros colocados. O mesmo aconteceu com a entrada do safety car. Com isso, assistimos a uma corrida rápida de 10 voltas até o final, com os da frente a optarem por pneus macios.

Daniel Ricciardo, piloto da Renault, terminou na terceira posição, optando por uma estratégia semelhante à dos dois primeiros classificados. Foi o primeiro pódio da Renault desde 2011.

Romain Grosjean foi o único a parar apenas uma vez. O piloto da Haas trocou pneus médios por duros, na volta 28, e terminou na 9ª posição.
Nico Hulkenberg, da Racing Point, foi o piloto que mais posições ganhou. O alemão largou da 20ª posição e terminou em oitavo: tendo seguido a mesma estratégia dos cinco primeiros (macios-médios-macios).

O Grande Prémio ficou marcado por temperaturas baixas: os termómetros marcavam 11 graus no final da corrida, com 19 graus de temperatura de pista, o que dificultou a manutenção da temperatura ideal dos pneus, especialmente no reinício de corrida após o safety car.

COMPORTAMENTO DOS PNEUS:

DUROS C2: Só quatro pilotos usaram o pneu duro durante a corrida, com dois deles a terminarem no top 10. Os dois pilotos da AlphaTauri (Pierre Gasly and Daniil Kvyat) e o Ferrari de Sebastian Vettel usaram o duro no turno intermédio. Isto constitui surpresa, porque este composto não foi testado intensivamente durante a única sessão de treinos livres.

MÉDIOS C3: Utilizado na maior parte da corrida, e apenas por quatro pilotos no início da prova (Sebastian Vettel da Ferrari, Romain Grosjean da Haas e ambos os pilotos da AlphaTauri). Os pneus registaram um bom desempenho durante stints médios e longos, apesar da falta de dados antes da corrida sobre o desempenho em stints de longa duração.

MACIOS C4: Foi a principal escolha para o início da corrida. Sergio Perez e Hulkenberg, pilotos da Racing Point, e Carlos Sainz, da McLaren, registaram um primeiro stint consideravelmente longo com este composto, sendo que todos optaram por não parar durante o safety car virtual. Os pneus macios registaram bons níveis de desempenho mesmo nos monolugares com combustível cheio e não apresentaram muito graining. Verstappen alcançou a volta mais rápida com este composto, na última volta.

MARIO ISOLA – RESPONSÁVEL PIRELLI NA F1

“Parabéns a Lewis Hamilton por igualar o recorde de Michael Schumacher de 91 vitórias, e também a Kimi Raikkonen pelo recorde de participações em Grandes Prémios. Esta foi uma corrida extremamente particular com temperaturas baixas e com pouco tempo de corrida na sexta-feira. Todo o trabalho de preparação foi feito na sessão de sábado. Embora não houvesse informações sobre o desgaste dos pneus, constatou-se que houve menos graining do que o esperado, o que levou algumas equipas a equacionar uma corrida de uma só paragem. No final, foi visível algum graining leve no composto macio, mas isso não influenciou o resultado da corrida. A estratégia de corrida foi amplamente influenciada pelos dois safety cars – virtual e real – que foram perfeitamente sincronizados para os primeiros colocados e ofereceram-nos um final emocionante. “

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.