Mazda Motor de Portugal comemora 25 anos

0

• A Mazda Motor de Portugal foi fundada a 8 de Fevereiro de 1995, tornando-se na 2ª Companhia Nacional de Vendas da Mazda Motor Corporation na Europa.
• Conta hoje com duas dezenas e meia de representantes, entre Concessionários e Reparadores Autorizados, sendo que 4 deles se mantêm desde o início da sua actividade.

Lisboa, 8 Fevereiro 2020. A Mazda Motor de Portugal comemora hoje o seu 25º ano de actividade como Companhia Nacional de Vendas (CNV) oficial da Mazda Motor Corporation, no nosso país, entidade que, por seu turno, está igualmente em época de celebrações, fruto do seu primeiro Centenário, festejado em todo o mundo a 30 de Janeiro último.

Herdeira, a partir deste mesmo dia do ano de 1995, do anterior importador – a empresa Sociedade Comercial Tasso de Sousa, SA – a Mazda Motor de Portugal está registada sob a forma jurídica de Sociedade por Quotas, tendo um capital social de € 1.995.192, estando inscrita em termos actividade (CAE08) como comércio de veículos automóveis ligeiros (45110), com o NIF 503418854.

Tendo, desde 2012, a sua sede no 3º piso do nº 16 da Av. José Malhoa, na zona de Campolide, em Lisboa, ao longo deste seu quarto de século, a Mazda Motor de Portugal já teve os seus serviços centrais noutro ponto da capital – o nº 2 da Rua Rosa Araújo (de 1999 a 2012) – depois da transferência da sua sede inicial, originalmente sita no Porto, na Via Marechal Carmona, nº 664. Aquando da sua fundação foi nomeado Kozaburo Murao como Director Geral, posição que desde 1 de Novembro de 2007 é ocupada por Luís Morais.

“É com um indisfarçável orgulho que comemoramos hoje o nosso 25º aniversário, uma data que, para além de emblemática, ocorre em simultâneo com os festejos dos 100 Anos da Mazda Motor Corporation, representando todo um conjunto de alicerces que nos permitem olhar para o futuro com esperança e enormes expectativas”, referiu Luís Morais, Director Geral da Mazda Motor de Portugal. “São 25 anos em que a Mazda em Portugal tem sabido adaptar-se às diferentes realidades e especificidades inerentes ao nosso mercado, nomeadamente em termos fiscais, acompanhando os seus diferentes ciclos de evoluções, decorrentes de variados factores internos e externos ao sector, ao mercado e, em última instância, ao próprio país.”

“Para além de toda uma equipa de profissionais que trabalha na nossa sede – com quem, partilho orgulhosamente os parabéns por esta efeméride – quero, naturalmente destacar os nossos principais parceiros, indispensáveis para que a Mazda tenha ido ao encontro dos objectivos traçados neste nosso primeiro quarto de século. Refiro-me, naturalmente, à Rede de Concessionários e Reparadores Autorizados Mazda, um grupo que se mostra cada vez mais sólido, abrangente, estruturado e apto a actuar nos mais diversos domínios, algo que se tem visto repetidamente comprovado pela melhoria contínua em termos dos resultados de Qualidade de Serviço e Satisfação dos Clientes, comentários que registamos com enorme agrado e que continuamos a entender como fundamentais para a sustentabilidade da Mazda Motor de Portugal e da própria rede”, acrescentou este responsável, sem esquecer os restantes parceiros da empresa, nas diferentes vertentes do nosso negócio.

Uma rede sólida e cada vez mais homogénea
Em termos de representação em Portugal, continental e regiões autónomas, a Mazda Motor de Portugal conta, presentemente, com uma Rede de Concessionários composta por duas dezenas e meia de entidades que asseguram, também, o serviço de após-venda, estrutura bastante homogénea e de semelhantes serviços prestados.

Numa área de negócio tão dinâmica destaca-se o facto de 4 das actuais entidades manterem a representação Mazda desde a fundação da actual companhia nacional de vendas, transitando do anterior importador: Santos da Cunha 2 (data de início de actividade em 1973, a Nipauto (1983), a M Coutinho Porto (1984, anterior Parauto) e a Santogal (1994, anterior Portelcar). No extremo oposto, as entidades mais recentes são a açoriana Loureiro Almeida & Filhos (2018) e a Litocar H (2016). Ao longo destes 25 anos, o diferente conjunto de entidades tem representado a Mazda no mercado português, contribuindo para a comercialização dos diferentes volumes e quotas de mercado registadas.

2008: O ano de todos os recordes
2008 foi o ano de todos os recordes para a Mazda Motor Portugal, período em que a marca oriunda de Hiroshima matriculou 5.155 unidades, volume que lhe garantiu uma significativa quota de mercado de 2 por cento. Mais recentemente e a título de registo, entre 2017 e 2019 a Mazda comercializou 2.766, 2.474 e 3.072 unidades, respectivamente, sendo que a variação neste último caso é positiva e de uns expressivos 24,17%, atribuindo-se uma quota de mercado de 1,39 por cento.

Para tal têm contribuído os automóveis que fazem parte das suas duas últimas gerações, dos mais recentes Mazda3 (HB e CS) e SUV Mazda CX-30, aos anteriores SUV Mazda CX-3 e CX-5, Mazda2, Mazda6 (berlina e wagon) e o roadster Mazda MX-5 (ST e RF). Neste particular destaquem-se outras viaturas complementares que, ao longo deste quarto de século, fizeram parte dos diferentes catálogos Mazda, como sejam as icónicas pick-ups Mazda BT-50 e B2500, o desportivo RX-8 de motor rotativo Wankel, passando pelo citadino 121, pelas berlinas 323 e 626 e pelos monovolumes Mazda5 e MPV, complementando-se o leque com as gerações originais e/ou sucessores da maioria das propostas actualmente em comercialização.

“Fruto de uma auscultação atenta ao mercado e com um contínuo acompanhamento da sua evolução, num sector afectado por inúmero factores externos – políticos, sociais, económicos, fiscais, cambiais, etc – a Mazda tem sabido e conseguido adequar a sua oferta de acordo com as preferências dos consumidores, não só fidelizando os que já estão connosco, como também conquistando, gradualmente, novos clientes”, sublinhou Luis Morais, acrescentando terem sido “muitos os modelos que têm contribuído para o actual sucesso de uma gama de excelentes propostas, bem construídas, seguras e repletas de conteúdos úteis ao condutor e seus passageiros, hoje decorrente das crescentes e cada vez mais abrangentes tecnologias Skyactiv, junto com uma imagem de marca rejuvenescida, fruto de um contínuo aprimorar do nosso design Kodo, sem esquecer o prazer de condução Mazda, sob a égide do Jinba Ittai – cavalo e cavaleiro como um só – inigualável na indústria automóvel”.

“Destaco, muito naturalmente e fruto da actual tendência do mercado, o papel preponderante que, nos últimos anos, tem tido a nossa oferta SUV, nomeadamente o Mazda CX-3, ‘best-seller’ de características mais urbanas, e o Mazda CX-5, uma proposta de maiores dimensões para a estrada e fora dela, modelos que se viram recentemente complementados pela oferta intermédia traduzida pelo novo SUV Mazda CX-30. Isto sem esquecer toda a essência em redor de outros modelos importantes, como o citadino Mazda2, os familiares Mazda3 e Mazda6, o nosso porta-estandarte, e, claro está, o icónico e intemporal MX-5, espelho da verdadeira imagem Mazda que se transmite aos restantes modelos”, acrescentou.

“Mas, naturalmente, não vamos parar por aqui, pois o mundo automóvel mantém-se em plena mutação, fruto da actual transição energética, onde se integra a nossa próxima fase, que trará o novo Mazda MX-30, aquele que é o nosso primeiro automóvel 100 por cento eléctrico. Com chegada prevista ao nosso mercado em Setembro próximo, tornar-se-á numa proposta fulcral para a Mazda, sendo um dos pontos altos deste ano de 2020, em que simultaneamente se comemoram o 25º aniversário da Mazda Motor de Portugal e o primeiro Centenário da Mazda Motor Corporation”, concluiu o responsável máximo da Mazda em Portugal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.