Eletromobilidade rende 13 mil milhões de euros em encomendas para a Bosch

0

Negócio da mobilidade cresce a um ritmo mais acelerado do que o próprio mercado

  • Dr. Volkmar Denner, CEO da Bosch: “A Bosch está a transformar a mobilidade em amiga do ambiente e a um custo acessível.”
  • Panorama atual: negócio da mobilidade enfrenta um ambiente difícil
  • A chave para a mobilidade do futuro: Bosch investe anualmente 3 mil milhões de euros em desenvolvimento de software
  • Dos motores de combustão às células de combustível: a Bosch está a aprimorar ainda mais todos os tipos de motores
  • Mais um passo para a condução autónoma: autorização garantida para serviço de estacionamento autónomo.

No que diz respeito à eletromobilidade, a Bosch segue na pista rápida. Nenhuma outra empresa possui tanta experiência neste domínio, e isso reflete-se nos resultados: desde o início de 2018, a Bosch recebeu pedidos de eletromobilidade no valor de aproximadamente 13 mil milhões de euros, incluindo projetos de produção de transmissões elétricas para automóveis e camiões ligeiros.

Graças a esses pedidos bem-sucedidos e à sua força inovadora, a Bosch mantém-se estável num ambiente que é atualmente difícil. O setor de negócios das Soluções de Mobilidade continua a desenvolver-se melhor do que a produção automóvel global em 2019.

Apesar da atual tendência de queda significativa do mercado, as vendas das operações do setor ficarão logo abaixo do nível alcançado no ano anterior. “A transformação da mobilidade envolve desafios, mas também oportunidades. Queremos compreendê-los”, afirma o Dr. Volkmar Denner, presidente do conselho de administração da Bosch.

Tecnologicamente, a Bosch está a abordar a mobilidade do futuro com uma mente aberta. Essa postura faz com que seja possível melhorar ainda mais os motores convencionais e a eletrificação de rastreamento rápido. Além disso, a empresa continua a trabalhar no sentido de tornar a mobilidade automatizada, conectada e personalizada.

Uma das chaves para que isso aconteça está na eletrónica e no software. As operações de mobilidade da empresa empregam atualmente cerca de 14.000 engenheiros de software, e os gastos anuais com experiência em software chegam a 3 bilhões de euros. O objetivo é manter as pessoas móveis de maneira ecológica e garantir que a mobilidade seja acessível a todos. “A Bosch está a tornar a mobilidade acessível e amiga do ambiente”, reforça Denner.

Motores de arranque eficientes: de motores de combustão a células de combustível

A Bosch lidera o caminho na ação climática, e isso é algo que vai além do facto de estar a tornar todas as suas localizações em todo o mundo neutras em carbono a partir do próximo ano. “Estamos também a dedicar-nos ao desenvolvimento de soluções de mobilidade que não têm um impacto significativo no aquecimento global e na qualidade do ar”, acrescenta Denner.

A cada ano, a empresa investe cerca de 400 milhões de euros em mobilidade livre de emissões. No que diz respeito à eletromobilidade, a Bosch tem uma pegada mais ampla do que outras empresas – desde bicicletas a camiões, passando por hibridação suave de 48 volts ao motor de arranque totalmente elétrico.

A Bosch tem como objetivo alcançar uma posição de liderança no mercado com a sua bateria de 48 volts, tendo realizado recentemente um acordo de cooperação de longo prazo com a empresa chinesa Contemporary Amperex Technology Co. Limited (CATL) para a produção de células de bateria. No início do ano, a Bosch previa vendas de 5 mil milhões de euros até 2025 com componentes e sistemas de eletromobilidade para automóveis de passageiros e camiões ligeiros. Agora espera ultrapassar esse número.

“Qualquer que seja a tecnologia que gera mobilidade livre de emissões, temos que fazer com que o mercado a aceite. Gerimos isso apresentando soluções acessíveis. Se não o fizermos, não conseguiremos ajudar a combater o aquecimento global”, afirma Denner.

No caminho traçado para se tornar líder de mercado em eletromobilidade, a Bosch pretende também criar um mercado de massa para células de combustível, e nesse sentido está a trabalhar na sua produção. Também neste caso, as economias de escala irão ajudar a tornar o fabrico dessa tecnologia ainda dispendiosa, em algo mais económico. “A Bosch está a trabalhar para que os motores de arranque alternativos se tornem mais acessíveis”, diz Denner.

Mais tecnologia: menos matéria de partículas, menos pó dos travões
Em 2030, três quartos dos novos veículos ainda terão um motor convencional sob o capot, alguns deles com suporte elétrico de um sistema de 48 volts ou um plug-in híbrido. Por esse motivo, a Bosch está a tornar não apenas o motor diesel, mas também o motor a gasolina, mais eficiente.

O mais recente avanço utiliza modificações no motor e o moderno tratamento de gases de escape para reduzir as emissões de particulas dos motores a gasolina a um nível 70% abaixo do padrão Euro 6d, mesmo em condições reais de condução.

A Bosch pretende ainda minimizar as emissões de partículas da travagem. Os desenvolvimentos aqui incluem o iDisc, que gera apenas 10% do pó produzido por um disco de travão convencional, e o sistema de travagem regenerativa, que pode reduzir o pó de travão em mais de 95% em veículos elétricos.

Marco histórico: aprovado primeiro sistema de nível 4

A Bosch está também a alcançar sucesso comercial substancial no que à direção automatizada diz respeito. Os sistemas de assistência ao motorista são a base para isso. Nesta área, a Bosch irá obter um crescimento de 12% e vendas de 2 bilhões de euros este ano. Para os próximos níveis de direção automatizada, a Bosch investirá 4 mil milhões de euros até 2022. Para os mercados dos EUA e da Ásia, a Bosch está atualmente a desenvolver sistemas de nível 2 que permitem que os motoristas tirem as mãos do volante na rodovia.

Na Alemanha, Bosch e Daimler obtiveram recentemente a primeira aprovação do mundo para um sistema de nível 4 – estacionamento autónomo no parque de estacionamento do Museu Mercedes-Benz em Estugarda. Esse serviço de estacionamento autónomo progrediu além do estágio do protótipo. Até ao final de 2021, espera-se que uma dúzia de outros parques de estacionamento estejam equipados com este sistema de estacionamento autónomo.

Mobilidade customizada: serviços de transporte e chassis de rolamentos
A transição no setor de mobilidade está a dar origem a novos plaeyrs no mercado, e a Bosch está a entrar em negócios com esses players. Por exemplo, a empresa está a trabalhar com a DiDi, Lyft e Uber – os três maiores fornecedores de serviços de transporte, que já realizam mais de 50 milhões de viagens por dia em todo o mundo. A DiDi, líder na prestação de serviços de mobilidade na China, utiliza os serviços de bateria da Bosch com base na cloud para ajudar a aumentar a vida útil das baterias dos seus veículos.

No futuro, os fornecedores de serviços de mobilidade como estes, vão utilizar cada vez mais serviços de shuttle que permitam oferecer uma mobilidade personalizada. Até 2025, espera-se que mais de 2,5 milhões de shuttles estejam a circular nas estradas por todo o mundo. Com as suas soluções para eletrificação, automação, conectividade e personalização, a Bosch pretende ajudar esses fornecedores a oferecer serviços de transporte com o máximo conforto e segurança.

O material rodante desses shuttles espaciais pode ser um chassi de rolamentos – uma plataforma modular pronta para condução que serve como base flexível para vários projetos de carroçaria. Nesta área, a Bosch firmou, no inicio do ano, uma parceria com a Benteler, especialista automóvel de chassis. A Automobil Pininfarina será o primeiro cliente a usar o chassi de rolamentos para os seus próprios veículos e atuará também como revendedora do chassi.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.