Citroën com desafio de peso na Turquia

0

No regresso do Citroën Total World Rally Team à Turquia, país onde garantiu, em 2003, com o Xsara WRC, a primeira vitória em ralis de terra, Sébastien Ogier/Julien Ingrassia e Esapekka Lappi/Janne Ferm estão determinados em seguir as pegadas de sucesso dos seus antecessores. Para tal, terão de superar as incrivelmente demolidoras estradas de cascalho na 11ª ronda do Campeonato do Mundo de Ralis 2019.

Depois de terem terminado o rali do ano passado com 5 melhores tempos em troços, Sébastien Ogier e Julien Ingrassia provaram, mais uma vez, a sua capacidade inata para se adaptarem a novas especiais e adotarem notas de andamento eficazes numa prova nova. Restam, por isso, poucas dúvidas de que eles estarão, de novo, entre os homens da frente no Rali da Turquia 2019, numa segunda edição baseada em Marmaris, depois de Istambul ter sido a base da prova em 2010 e de Kremer a ter recebido de 2003 a 2006 e em 2008.

Determinados a lutar com unhas e dentes na defesa do título de 2018, os sêxtuplos Campeões do Mundo podem ainda recorrer à sua considerável capacidade de gestão, qualidade muitas vezes imprescindível neste tipo de evento, onde nem tudo assenta em velocidade pura. Sendo a terceira a entrar para os troços na 1ª Etapa, a equipa francesa terá como linha condutora o rasto dos seus dois adversários no campeonato, tentando tirar o máximo partido do seu C3 WRC.

Galvanizado pela sua impressionante performance em pisos de terra no último Rali da Finlândia, onde alcançaram um brilhante 2º lugar, Esapekka Lappi e Janne Ferm têm, sem dúvida, registado uma enorme evolução aos comandos do C3 WRC neste tipo de superfície. Depois de vários resultados no limiar do 5º lugar em 2018, os finlandeses estão, de novo, ansiosos para demonstrar o seu talento em terra em 2019. Partem com o objetivo de adotar uma abordagem inteligente, encontrando o equilíbrio certo entre forçar o andamento e manter-se longe dos problemas. Desde que os pilotos que saem à frente não atirem demasiadas pedras afiadas para o meio dos troços, a sua 9ª posição na estrada significa que poderão encontrar um percurso mais limpo e com melhor aderência.

Para se preparar para este evento extremamente exigente da forma mais eficaz possível, o Citroën Total World Rally Team esteve na Grécia, recorrendo aos troços semelhantes do Rali da Acrópole para um teste pré-rali, estradas que por muito tempo foram consideradas como as mais exigentes quando se trata de pisos demolidores. Os técnicos da Citroën passaram quatro dias a trabalhar no C3 R5, em particular nos sistemas de amortecimento, tentando melhorar a sua capacidade de lidar com superfícies muito irregulares, ao mesmo tempo que seguiam a reação dos pneus a usar nas estradas de terra turcas, quentes e com inúmeras pedras soltas.

O QUE ELES DISSERAM…
Pierre Budar, Diretor da Citroën Racing
“Após o evento do ano passado ter apanhado todos de surpresa em termos das exigências sobre os carros, este ano estamos bem conscientes do desafio que se nos depara na Turquia, tendo preparado o rali em linha com essa realidade. Em particular, tivemos algumas sessões de teste produtivas em alguns dos troços mais exigentes da Grécia para preparar um rali onde a fiabilidade é obrigatória – desempenha um papel-chave neste fim de semana -, tal como a capacidade de nos mantermos longe de problemas. Cabe-nos garantir que estamos na nossa melhor forma, estamos determinados em voltar aos lugares do pódio e lutar arduamente pelo campeonato.”

Sébastien Ogier, Piloto do Citroën Total WRT
“As especiais do ano passado foram, sem sombra de dúvida, as mais demolidoras que já tive que enfrentar em toda a minha carreira. A equipa que ganhou o rali não foi, de todo, a mais rápida, pelo que talvez tenhamos de adaptar a nossa abordagem este ano, especialmente porque não podemos fazer mais erros no campeonato. O teste correu bem, em estradas que proporcionaram um tipo de dificuldades semelhantes às que iremos enfrentar neste fim de semana. Espero que as boas sensações que tivemos nos testes continuem no rali.”
Nº de participações na prova: 2
Melhor resultado: 4º lugar (2010)

Esappeka Lappi, Piloto do Citroën Total WRT
“Há que usar a cabeça neste rali e saber quando é possível forçar o ritmo e quando é melhor tirar o pé do acelerador e poupar o carro. Não é, necessariamente, o meu género preferido de rali, mas se conseguirmos combinar resistência, fiabilidade, um pouco de velocidade de ponta e alguma sorte em evitar furos, então não devemos estar muito longe de garantir um bom resultado.”
Nº de participações na prova: 1
Melhor resultado: –


NÚMEROS CHAVE

  • 17 Especiais, totalizando 309,86 km.
  • 70,3 km/h de velocidade média registada no ano passado pelo vencedor, a mais baixa de toda a temporada de 2018.
  • 34 ºC é a temperatura máxima prevista para Marmaris para a semana do rali.
  • 4 vitórias para a Citroën nas 7 presenças no Rali da Turquia: 3 com o Xsara WRC (2003 a 2005) e 1 com o C4 WRC (2010).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.