Tiago Monteiro vence em Vila Real e leva público à loucura

0
  • Piloto da Honda vence pela primeira vez desde o seu acidente e prolongada recuperação física
  • Azcona vence a Corrida 2 depois de erro de Ma na “Joker Lap”
  • Guerrieri mantém liderança do campeonato
  • Os pilotos da Cyan Lynk & Co, Muller e Ehrlacher, foram ao pódio e prestaram homenagem a mecânico falecido ontem

Tiago Monteiro conseguiu hoje uma vitória de sonho em “casa”, na corrida do WTCR em Vila Real, depois de resistir à pressão de Yvan Muller na Corrida 3. O piloto da KCMG, voltou a correr este ano depois de recuperar de lesões graves devido a um acidente em 2017 quando fazia testes para a Honda.

O seu companheiro de equipa na KCMG, Attila Tassi, saiu da pole e assumiu a liderança, com Monteiro na segunda posição, enquanto Muller passava o seu sobrinho Yann Ehrlacher na primeira volta.

Tassi perdeu a liderança na quarta volta, quando começou a ter problemas mecânicos, com o jovem de 20 anos a ser forçado a desistir. Muller foi primeiro para a sua “Joker Lap”, com Monteiro a seguir o mesmo rumo uma volta depois. O Honda acabou de sair à frente do Cyan Lynk & Co, mas os dois pilotos estavam juntos. Aos poucos Monteiro conseguiu alguma vantagem para Muller e acabaria por garantir uma vitória de sonho diante de uma multidão em festa.

Na segunda posição ficou Muller, seguido Ehrlacher e pelo vencedor da corrida 2, Mikel Azcona ao volante de um SEAT Cupra. O piloto espanhol fechou um óptimo fim-de-semana em Vila Real, juntando um quarto lugar à sua vitória.

Jean-Karl Vernay em Audi, derrotou Rob Huff (VW) num duelo pelo quinto lugar. Néstor Girolami assinou o sétimo posto com o Honda Civic da Münnich Motorsport.

Thed Björk colocou o seu Cyan Lynk & Co na oitava posição, à frente de Ma Qinghua, que bateu o vencedor da Corrida 1 e o rival mais próximo de Guerrieri, Norbert Michelisz.

“Deus sabe o quanto nós trabalhamos para isso. Depois do acidente há dois anos, ninguém faz ideia do quanto trabalhamos para voltar. Eu sempre sonhei com isso, mas fazer isto … é inacreditável. Hoje aqui alguém estava a cuidar de mim, assim como cuidaram de mim no hospital. Foi íncrivel ver todo o apoio nas bancadas, perdi o foco nas últimas duas voltas – estas foram provavelmente as mais difíceis da minha carreira.” Disse Tiago Monteiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.