Branqueamento de incidente no Open de Portugal de Velocidade

0

Que o desporto automóvel de velocidade em pista português não vive os seus melhores dias já todos sabemos, mas quando pensamos que provavelmente já nada nos surpreende, eis que um caso ocorrido no passado fim-de-semana no Circuito de Braga nos deixa espantados…

Tal como em qualquer desporto também neste, existem erros por parte dos atletas em contenda. Normalmente nunca é fácil para estes reconhecerem esses mesmos erros, parecendo haver sempre algo que pode justificar os seus actos. Até aqui tudo bem, mas não é esta situação que nos leva a escrever estas linhas.

Na terceira corrida do Open de Portugal de Velocidade, na discussão da travagem no final da recta da meta, Daniel Teixeira (SEAT Leon) tocou na traseira do carro de Gabriela Correia (SEAT Leon) que o tinha acabado de suplantar, fazendo com que a jovem piloto entrasse em pião e perdesse com isso muito tempo em relação aos seus rivais. Um incidente de corrida, mas um erro evitável e que espelhou a nosso ver, uma certa frustração do piloto pelas dificuldades que estava a ter para suplantar os rivais.  

Ora o bizarro na situação ocorrida em Braga, passa pelo branqueamento da situação perpetrado tanto pelo piloto que errou como pela equipa da piloto que foi prejudicada! Depois de terem sido publicadas nas redes sociais, fotos e vários comentários sobre a situação, assim como um vídeo “onboard” no carro de Daniel Teixeira, com o qual o piloto que errou pretendia justificar esse erro, tudo foi apagado, com o comunicado da equipa da piloto prejudicada a não referir sequer este incidente, que arruinou as suas possibilidades de vitória na prova! Não é normal.   

Se as coisas estão mal, pior ficam quando assistimos a este tipo de situações que não beneficiam ninguém. Pedir desculpa e reconhecer os erros faz parte da nossa vivência, seja na nossa vida pessoal seja no exercício de qualquer actividade social e desportiva. Branquear esta situação não fica bem ao piloto nem à equipa prejudicada e não queremos sequer imaginar, que esta situação se deva ao facto de Daniel Teixeira ser filho do presidente da APPAM (Associação Portuguesa de Pilotos de Automóveis de Montanha). Isso seria grave e desprestigiante para a modalidade e para o desporto automóvel em geral!     

NDR: A foto que ilustrava esta noticia até às 19:57 do dia 23 de maio de 2019, foi retirada por pedido do seu autor (Nuno Organista). Retirada da net sem que estivesse associada a nenhum fotógrafo ou quaisquer direitos, foi utilizada legitimamente na divulgação dos factos acima descritos. Com esta ocultação desaparece a única forma de se visualizar o toque e com isso faz-se a vontade aos que pensam que ocultando provas podem dormir descansados como se nada se tivesse passado. Assim vai o nosso desporto… Certos como parecem estar, de que a razão está do seu lado, desafio aqui os intervenientes nesta lamentável situação, que o provem ao mundo publicando as fotos e os vídeos que esclarecem o que se passou, o que temem?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.