Álvaro Parente ultrapassa fim-de-semana difícil

0

Álvaro Parente, na companhia de Katherine Legge, terminou no quinto lugar a SportsCar Grand Prix, a sétima ronda da temporada do IMSA SportsCar Championship.

O português não teve um fim-de-semana fácil no Canadian Tire Motorsport Park, no Canadá, tendo sentido dificuldades com a aderência e equilíbrio no carro número oitenta e seis, o que antecipava uma corrida de duas hora e quarenta minutos difícil, apesar de o piloto do Porto ter conseguido assegurar o sexto posto da grelha de partida da classe GTD.

Sem performance pura para acompanhar os seus adversários mais competitivos, a Meyer Shank Racing apostou na estratégia, tendo Álvaro Parente sido quem realizou o maior primeiro turno de condução até à primeira ronda de reabastecimentos – trinta e cinco voltas.

O objectivo da equipa norte-americana passava por parar apenas duas vezes, contra três das restantes formações, o que permitiu que Álvaro Parente chegasse a passar pelo comando da corrida entre os concorrentes da classe GTD.

Depois de um longo turno de condução, Álvaro Parente cedeu o volante do Acura NSX GT3 número oitenta e seis a Katherine Legge que, ao sair das boxes foi tocada para fora de pista por outro concorrente.

A piloto inglesa conseguiu retomar a prova, terminando no quinto posto a cerca de quinze segundos do vencedor da classe GTD. “No meu primeiro turno sentimos muita subviragem. Foi difícil manter os nossos adversários atrás de nós. Estávamos em quarto e comecei a focar-me em pequenos detalhas, como poupar combustível sempre que podia. Melhorámos o carro para o segundo turno, com uma pequena alteração durante a paragem nas boxes, o que nos deu mais performance. Tentámos usar a estratégia para subir na classificação, mas na volta de saída das boxes, a Kat (Legge) sofreu um toque que nos atrasou”, resumiu Álvaro Parente.

Apesar das contrariedades, o português considera que o quinto posto alcançado no Canadian Tire Motorsport Park foi positivo. “Atendendo a todas as circunstâncias e dificuldades, este foi um bom resultado. A equipa trabalhou afincadamente para nos dar um carro competitivo, mas foi muito complicado e sofremos sempre de uma falta de aderência generalizada. O meu objectivo é lutar por vitórias, mas arrancar de sexto e terminar em quinto é positivo”, concluiu Álvaro Parente.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.